terça-feira, 20 de maio de 2014

Ministro do STF manda soltar presos da Lava-Jato e quer que Justiça Federal remeta processo à Corte

teori_zavascki_03Água gelada – Durou pouco a esperança dos brasileiros em relação à possibilidade de o Brasil começar a ser passado a limpo. Isso porque o ministroTeori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (19) a imediata soltura dos presos pela Polícia Federal na Operação Lava-Jato, que investigou um esquema de lavagem de dinheiro, corrupção e desvio de dinheiro público comandado pelo doleiro Alberto Youssef. De acor
do com a PF, Youssef pode ter movimentado de forma ilegal aproximadamente R$ 10 bilhões.
Zavascki também solicitou que a Justiça Federal do Paraná envie ao STF todos os inquéritos e processos relativos à operação Lava-Jato, decisão que está sendo considerada um jato de água fria, pois o juiz federal Sérgio Moro há anos vem se empenhando para desmontar o esquema criminoso que começou em Londrina com o finado José Janene, o xeique do Mensalão do PT.
O ministro do STF determinou a imediata suspensão dos inquéritos e ações penais em curso, assim como o recolhimento dos mandados de prisão expedidos. De tal modo, de acordo com Zavascki, todos os presos na operação policial devem ser colocados em liberdade, não podendo deixar a comarca onde residem e “devendo entregar os passaportes em 24 horas”.
Teori Zavascki concluiu que o processo judicial decorrente da Operação Lava-Jato deve ser analisado Supremo, uma vez que no rol de envolvidos no esquema há dois deputados federais: André Vargas (sem partido-PR) e Luiz Argôlo (SDD-BA). Com base no que determina a Constituição Federal, parlamentares só podem ser investigados ou processados pelo STF.
A decisão do magistrado foi tomada na esteira de pedido formulado pela defesa de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, que arguiu a incompetência da Justiça Federal do Paraná para ordenar sua prisão e decidir no processo que tem parlamentares no rol de acusados. Acusado de ser sócio do doleiro Alberto Youssef, Costa está preso desde o dia 20 de março, sob a acusação de prejudicar as investigações da PF sobre um esquema de pagamento de propinas, como forme de beneficiar empresas em contrato para a construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. A principal empresa envolvida na construção da refinaria pernambucana é a empreiteira Camargo Corrêa, que lidera o consórcio CNCC.
Com a remessa do processo da Lava-Jato para o STF, o Palácio do Planalto ganha dose extra de fôlego no cabo de guerra que se formou, a partir do escândalo, entre o governo e a oposição. Como sabem os brasileiros de bem, o Supremo, na composição atual, tem decidido em muitas ocasiões em favor do governo do PT. Em suma, a massa da pizza começa a crescer e em breve será servida à população, que terá de aceitar que mais um escândalo de corrupção, envolvendo apaniguados do governo, entre na fila de julgamento da Suprema Corte ou seja varrido para debaixo do tapete

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados