terça-feira, 12 de novembro de 2013

CorrupSão Paulo - Escutas indicam que fiscais também fraudaram o IPTU em São Paulo

Gravações mostram auditores comentando investigação.
Promotores suspeitam que Secovi alertou fiscais sobre apuração.


O grupo de funcionários da Prefeitura de
 São Paulo suspeito de fraudar o Imposto sobre Serviços (ISS) também cometeu irregularidades em relação a cobranças do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), segundo indicam gravações telefônicas reveladas pelo Fantástico deste domingo (10).
A escuta mostra os auditores Carlos Augusto Di Lallo Amaral e Luís Alexandre Magalhães, presos na última semana de outubro, falando sobre fraude e investigação feita pela Ministério Público de São Paulo e pela Controladoria Geral da Prefeitura no primeiro semestre de 2013.
"O IPTU não pegaram", afirmou Di Lallo. Luís Alexandre, que na conversa se mostrava nervoso por uma suposta traição dentro da quadrilha, respondeu que denunciaria o esquema. "Eu faço pegar. A gente fez um monte de coisa no IPTU", disse. Na sexta-feira (8), o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou que membros da quadrilha também fraudaram o IPTU fazendo mudanças cadastrais.
A escuta também revela que a cobrança de propina não começou em 2006, como indicavam as investigações. Luís Alexandre afirmou ter relatórios desde 2002. A investigação culminou com a prisão de quatro auditores no dia 30 de outubro. Eles já deixaram a prisão temporária, e serão denunciados à Justiça pela prática de diversos crimes, segundo o Ministério Público
Secovi
A reportagem do Fantástico também mostra que os promotores que investigam o caso passaram a desconfiar que o Secovi, o Sindicato da Habitação, que representa empresas do ramo imobiliário, estava dando alertas para os fiscais. O Secovi tinha sido procurado para ajudar nas investigações. A suspeita é baseada em um diálogo entre Ronilson e Eduardo Barcellos, outro dos auditores suspeitos de participar do esquema.
Diálogo aponta para suposto apoio do Secovi ao esquema; sindicato nega (Foto: Reprodução/TV Globo)Diálogo aponta para suposto apoio do Secovi ao
esquema; sindicato nega
(Foto: Reprodução/TV Globo)
Na conversa, Barcellos diz a Ronilson que o Secovi promete não contar nada à Justiça se os auditores também ficarem de boca fechada. Barcellos repete o que o representante do Secovi teria dito: "Teve uma reunião assim, assim, assim, assado. Da nossa parte eu não sei de nada. Eu queria garantia da parte de vocês, que não sai nada de lá também", disse.
Em nota ao Fantástico, o Secovi afirmou que não teve qualquer contato com o Eduardo Barcellos, e não mandou ninguém para falar em nome da entidade. O sindicato diz ainda que aguarda a conclusão das investigações para apurar a responsabilidade criminosa de quem falou em nome do Secovi sem autorização. Também afirma que se colocou à disposição para auxiliar nas investigações.

Um comentário:

  1. Quando alguém quer construir um pequeno sobrado têm que esperar um ano ou mais para ter a planta aprovada. Se pagar propina a autorização é imediata. Depois para conseguir o habite-se é outra conversa. É um horror! E isto acontece há muitos anos.

    ResponderExcluir

Anônimos não serão publicados