sábado, 21 de setembro de 2013

Médicos brasileiros tem medo


Para socióloga americana, médico brasileiro teme concorrência dos cubanos 

Cármen  Guaresemin  e  Camila  Neuman

Do UOL, em São Paulo 


Programa Mais Médicos: profissionais e pacientes28 fotos

1 / 28
Cubano vaiado por colegas brasileiros ao chegar; índia recém-formada que quer participar ("apesar de não concordar 100% com o programa"); uruguaio que estreou antes do previsto (presenciou um atropelamento): conheça histórias de médicos e pacientes envolvidos no programa Mais Médicos Arte UOL
Estudiosa da diplomacia médica cubana, a socióloga norte-americana Julie Feinsilver, formada pela Universidade de Yale, é uma exceção em seu país. Admiradora da medicina praticada no país governado pelos irmãos Raúl e Fidel Castro, ela lançou em 1993 o livro "Healing the Masses" ("curando as massas", em tradução livre), no qual abordava o modelo implantado na ilha.
Hoje, tanto o livro como artigos da socióloga se transformaram em referências para quem quer se aprofundar em medicina cubana. Feinsilver, que vive em Washington, já contou em entrevistas que teria sido vigiada pela CIA e FBI, com direito a telefone grampeado.
"Acho condenável os médicos brasileiros assediarem os cubanos, que foram para o seu país ajudar os mais pobres entre os pobres", disse Feinsilver em entrevista, por e-mail, aoUOL. "Houve protestos por parte de algumas sociedades médicas por causa de um medo infundado: a concorrência." 
Leia a entrevista: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/09/21/cubanos-gostam-de-ajudar-mas-tambem-querem-ganhar-dinheiro-diz-sociologa.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados