sexta-feira, 3 de agosto de 2012

MENSALÃO - Supremo volta a analisar processo esta tarde




Gurgel afirma que, em seu depoimento, o réu Valdemar Costa Neto afirma que os encontros do esquema aconteciam "sempre na residência de José Dirceu"

Gurgel afirma que, em seus depoimentos, o réu Marcos Valério afirma que "Dirceu sabia das operações feitas para financiar os acordos políticos" e que "nada, absolutamente nada acontecia sem a prévia autorização de Dirceu"

Ele lembra que José Dirceu sempre afirma que não há provas de sua participação. "Como quase sempre ocorre com chefes de quadrilha, o acusado não aparece"

O procurador afirma que José Dirceu, então ministro da Casa Civil "exerceu papel de fundamental importância para o sucesso do esquema" e "foi a principal figura", o "mentor da ação do grupo e grande protagonista"

Gurgel sustenta que o esquema do mensalão consistia em "comprar votos de parlamentares" e pagar dívida das campanhas do Partido dos Trabalhadores"

“Foi, sem dúvida, o mais atrevido caso de corrupção e de desvio público do Brasil”, completa o procurador-geral da República

"Estou absolutamente convencido de que a prova colhida no curso da instrução, associada aos depoimentos colhidos no inquérito, comprovou a autoria e materialidade dos objetos de acusação", diz Gurgel

Pouco antes do início do segundo dia do julgamento, o ministro Marco Aurélio Mello criticou a postura do ministro Joaquim Barbosa ao discutir com o ministro Ricardo Lewandowski. “A imagem da instituição é que fica prejudicada. Precisamos discutir ideias, não deixando de forma alguma descambar para o campo pessoal. E já me assusta o que poderemos ter em novembro.” Em novembro, Barbosa assume a presidência do STF

Gurgel começa sua acusação citando o jurista, sociólogo e historiador Raymundo Faoro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados