sábado, 21 de janeiro de 2012

Vaticano patrocina o vidro de palmito


O casamento e o vidro de palmitoUm dos grandes sustentáculos do casamento, como instituição, é o vidro de palmito. Penso nisso sempre que tento preparar uma super salada num domingo de verão. Meu marido conhece o filme. Apoio o vidro num pano de prato, faço força para abrir a tampa, tento soltá-la com uma faca, levanto o lacre de borracha e... nada. Consigo fazer muitas coisas difíceis nesta vida sem pedir a ajuda dele. Abrir o vidro de palmito não é uma delas. Não sei se todas as mulheres têm a mesma dificuldade, mas lá em casa só o jeitinho masculino resolve.
Meu marido se diverte quando digo que a falta de inovação da embalagem de palmito deve ser patrocinada pelo Vaticano. Só um motivo muito forte explica por que até hoje a indústria não foi capaz de inventar um jeito mais simples de embalar palmito com segurança – sem disseminar doenças e sem atazanar as consumidoras.
Para preservar a instituição do casamento tradicional e da família, o Vaticano condena a camisinha. Suspeito que, pela mesma razão, estimule a preservação do vidro de palmito tal como ele é. Quando uma mulher analisa os prós e os contras do casamento, deve considerar o que seriam os domingos sem salada de palmito. Podem ser lastimáveis.
Lembrei dessa história ao ler um texto da psicóloga americana Bella DePaulo, publicado na última edição da revista Psychology Today. Bella, autora de um interessante blog chamado Living Single, afirma que um dos maiores mitos sobre os solteiros é que eles estejam sempre – e desesperadoramente – tentando arranjar um parceiro.
Muitos solteiros querem mudar de estado civil, é claro. Mas essa não é necessariamente a regra. “Talvez mais pessoas estejam escolhendo ser solteiras porque simplesmente gostam disso”, escreve Bella. “Atualmente um solteiro consegue levar uma vida completa e divertida como nunca antes”.
Em um dos textos postados no blog, Bella discorre sobre estudos que tentam associar o casamento a benefícios de saúde. Eles já deram origem a inúmeras capas de revista. Principalmente nos Estados Unidos, onde há um forte movimento que defende o matrimônio tradicional. A verdade, porém, é que esses estudos quase sempre são inconclusivos. É difícil isolar fatores que têm influência sobre a saúde e podem levar os pesquisadores a interpretações erradas.
Bella analisou a fundo os estudos disponíveis e concluiu que as evidências científicas permitem dizer o seguinte:
• As pessoas que sempre foram solteiras não têm mais problemas crônicos de saúde que as casadas
• Mulheres que nunca se casaram declaram ter uma saúde tão boa quanto a das mulheres que se casaram e continuavam casadas no momento da pesquisa
• Ao contrário do senso comum, os homens menos saudáveis eram os que haviam se casado mais jovens
As consequências do casamento sobre a saúde dependem do tipo de relacionamento que o casal cultiva. Um casamento ou namoro infernal eleva os níveis de stress crônico e pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares, por exemplo. Se a pessoa vive numa relação harmoniosa, a saúde agradece. Isso é óbvio, certo? É daquelas explicações que a gente não entende por que os pesquisadores precisaram gastar tanto tempo e dinheiro para chegar a elas.
Outro ponto interessante levantado por Bella é que os solteiros convictos (não os que se incomodam com a solteirice) sabem apreciar alguns valores importantes que, em geral, não são percebidos como tal pela maioria das pessoas. É o caso da solidão. Saber valorizar os momentos de sossego, de silêncio, de estar consigo mesmo é um privilégio. Solidão pode ser algo tão importante quanto a sociabilidade.
Os solteiros convictos também sabem que relacionamento não é uma palavra restrita às relações românticas. Eles sabem valorizar os amigos, os parentes, os mentores, os vizinhos. A solteirice, portanto, pode ser uma decisão valorosa. É uma escolha que a sociedade precisa respeitar. Sem pressões, sem piadinhas, sem pena.
Quer saber se você, no fundo, no fundo é um solteiro convicto, mesmo estando casado ou namorando firme? Faça o teste proposto por Bella.
VOCÊ É UM SOLTEIRO CONVICTO?
1) Quando você sabe que passará algum tempo sozinho, o que pensa?
a) Ah, doce solidão.
b) Oh, solidão não.
2) O que você acha da ideia de procurar um parceiro para uma relação amorosa de longa duração?
a) Tem a sensação de que é o que deveria fazer, mas, sinceramente, não é bem o que gostaria de fazer.
b) O processo pode não ser muito divertido, mas encontrar um bom parceiro seria sensacional.
3) Quando você pensa em fazer uma grande mudança na sua vida (escolher uma nova carreira, por exemplo), o que você escolheria?
a) Tomaria a decisão que lhe parecesse certa, sem se preocupar se o parceiro iria ou não aprovar sua decisão.
b) Tomaria a decisão junto com o parceiro, mesmo que isso significasse não seguir sua opção favorita.
4)Muitos parceiros têm a expectativa mútua de estar junto com o outro em todas as ocasiões. Como você se sente em relação a isso?
a)Prefere ir a alguns eventos sozinho ou com outras pessoas. Ou simplesmente ficar em casa.
b)Sente-se confortável em ter o parceiro sempre com você, apesar de ser obrigado a comparecer a compromissos que preferiria não comparecer.
5) Quem são os adultos mais importantes da sua vida?
a) Um mix de amigos, familiares e colegas de trabalho.
b) O cônjuge ou parceiro de longa data.
6) Quando você tem vontade de comer fast food ou assistir a programas trash na TV, como você se sente.
a) Feliz por poder fazer exatamente o que sente vontade, sem ter ninguém por perto.
b) Preferiria ter o parceiro ao seu lado, tanto para curtir as delícias trash com você como para estimulá-lo a ter autocontrole.
7) Quando você pretende perseguir objetivos nobres, como comer comida saudável e ler grandes livros, o que você prefere:
a) Perseguir esses objetivos por conta própria ou com um amigo
b) Ter um parceiro para persistir no caminho certo
8) Quando você tem pequenos contratempos, como se sente:
a) Aliviado por não ter que explicar para ninguém como as coisas deram errado.
b) Gostaria de ter um parceiro para encontrar em casa e poder dividir o que aconteceu.
9) Você é autossuficiente? Costuma lidar com seus problemas e desafios quase sempre sozinho?
a) Sim.
b) Não.
RESULTADO
Conte quantas vezes você escolheu “a”
0 a 3: Você tem alguma apreciação pela solteirice, mas não está completamente convicto disso.
4 a 6: Você gosta de muitos aspectos da solteirice, mas também gosta de passar longos períodos com o parceiro. Quando está casado ou num relacionamento sério, prefere não estar totalmente misturado ao seu parceiro.
7 a 9: Você é um solteiro convicto.
Comigo o teste funcionou. Escolhi quatro vezes a alternativa “a”. Concordo com o diagnóstico. Gosto de muitos aspectos da solteirice. Tenho necessidade dos “meus” momentos, mas também preciso da companhia do meu parceiro. Ela é um privilégio. E não é só por causa do vidro de palmito.
(Cristiane Segatto escreve às sextas-feiras.)    E você? É um solteiro convicto? Já teve um parceiro amoroso que, no fundo, era um solteiro convicto? O que aconteceu? De que forma o estado civil influencia nossa saúde? Conte pra gente. Queremos ouvir a sua opinião.

Roubaram 12.000 reais da lanchonete da Cêmara do Deputados em Brasilia

Divinhem quem roubou ?

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Sarney, Dirceu e Jaqueline são agraciados com algemas de ouro, prata e bronze no 'Baile do Pega Ladrão!'


estadão.com.br
Os políticos premiados no 'Baile Pega Ladrão!' - DivulgaçãoO Troféu Algemas de Ouro de 2011 "consagrou" o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu (PT), e a deputada Jaqueline Roriz (PMN). Os foliões que compareceram ao tradicional Clube dos Democráticos, na Lapa, para participar do 'Baile do Pega Ladrão!', realizado na madrugada desta sexta-feira, 20, no Rio, foi a entrega do  vaiaram entusiasticamente os vencedores da votação realizada no Facebook, que teve sete mil eleitores.

Divulgação
Os políticos premiados no 'Baile Pega Ladrão!'
Foram entregues as algemas de ouro, prata e bronze, respectivamente, a Sarney, que teve 59,5% dos votos, a Dirceu, com 18,8%, e à deputada Jaqueline Roriz, com 8,4%, filmada recebendo dinheiro de propina e que foi absolvida pela Câmara dos Deputados no ano passado.
O baile foi animado pelo conjunto vocal Anjos da Lua, de Eduardo Gallotti, que apresentou repertório inspirado na corrupção e na impunidade napolítica brasileira, como 'Se gritar pega ladão!', de Bezerra da Silva; 'Pecado Capital', de Paulinho da Viola; 'Lama', de Mauro Duarte; 'Homenagemao malandro', de Chico Buarque; 'Saco de feijão', de Francisco Santana; e 'Onde está a honestidade?', de Noel Rosa.
O 'Baile do Pega Ladrão!' e o 'Troféu Algemas de Ouro', foram organizados pelo Movimento 31 de Julho, que tem realizado atos contra acorrupção nos últimos meses. As iniciativas contaram com apoio de diversos movimentos do Rio e de outras cidades do País.
A proposta dos organizadores é manter a mobilização contra a corrupção e a impunidade mesmo neste período de festas e férias. O Movimento 31 de Julho planeja realizar um show na Zona Sul do Rio, depois do Carnaval, com a participação de artistas que apóiam a causa do combate à corrupção e à impunidade.
A agenda política dos grupos contra a corrupção inclui a realização de atos pela aplicação da Lei da Ficha Limpa nas eleições municipais desteano, pela agilização do julgamento do Mensalão pelo STF, em solidariedade à ministra Eliana Calmon (CNJ) e em apoio à liberdade de imprensa.

Celso Daniel - 10 anos, 8 mortes e um dúvida





Nesta sexta-feira (20) a morte de Celso Daniel completa 10 anos. Uma década depois, a dúvida permanece. Afinal, o petista foi alvo de um crime de mando ou vítima da violência urbana? Além do próprio prefeito, sete pessoas ligadas ao caso - entre testemunhas e acusados de participação no crime - morreram neste período.Celso Daniel foi encontrado morto numa estrada de terra em Juquitiba, interior paulista, crivado por oito tiros, após dois dias de sequestro.

O caso já foi reaberto duas vezes, sendo alvo de investigações do Ministério Público, Polícia Civil e até da CPI dos Bingos, em Brasília. Segundo o Ministério Público, Daniel foi vítima de crime de mando, encomendado pelo amigo e ex-segurança Sérgio Gomes da Silva. Os promotores defendem que ele teria descoberto um esquema de corrupção na Prefeitura para financiar campanhas do PT e que o sequestro teria sido simulado.

Já a polícia afirma que houve crime comum. Dos oito acusados pelo Ministério Público, somente Marcos Bispo dos Santos foi julgado e condenado, em 2010, a 18 anos de prisão. A maior expectativa, este ano, é a realização do júri popular de Sérgio Gomes - também conhecido como Sombra – previsto para ocorrer até o fim do ano.


Mais sete mortos

A lista de mortos ligados ao caso impressiona. Além do próprio Celso, mais sete pessoas morreram. O garçom Antônio Palácio de Oliveira, que serviu o prefeito e Sérgio Sombra no restaurante Rubaiyat, em 18 de janeiro de 2002, noite do sequestro, foi assassinado em fevereiro de 2003.

Vinte dias depois da morte de Oliveira, Paulo Henrique Brito, única testemunha desse assassinato, foi morto com um tiro nas costas. Em dezembro de 2003, o agente funerário Iran Moraes Rédua foi assassinado com dois tiros quando estava trabalhando. Rédua foi a primeira pessoa que reconheceu o corpo de Daniel na estrada de terra e chamou a polícia. Dionízio Severo, detento apontado pelo MP como o elo entre Sérgio Gomes, acusado de ser o mandante do crime, e a quadrilha que matou o prefeito, foi assassinado na cadeia, na frente do próprio advogado.

O homem que o abrigou no período em que a operação teria sido organizada, Sérgio Orelha, também foi assassinado. Outro preso, Airton Feitosa, disse que Severo lhe relatou ter conhecimento do esquema para matar Celso e que um ‘amigo’ (de Celso) seria o responsável por atrair o prefeito para uma armadilha. Otávio Mercier, investigador que ligou para Severo, foi morto em julho de 2003. O último da lista foi o legista Carlos Delmonte Printes - encontrado morto em 12 de outubro de 2005 – que constatou, na época, que o petista havia sido torturado.

Promotor acredita em ‘outros’ mandantes

O promotor do Ministério Público, Roberto Wider Filho, revelou nesta quinta-feira (19), que acredita na existência de outros participantes na morte do ex-prefeito de Santo André, mas que ainda continuam no obscurantismo. “Eu mesmo, até o momento em que eu era responsável pelas investigações, tinha novas diligências para fazer. Acredito que nem todos os responsáveis pela morte foram identificados. Eu acredito que existem outros executores e outros mandantes do crime”, disse Wider.

Segundo ele, deveriam ter “mais diligências até a identificação de todos”. “Nada impede que mesmo depois do julgamento do Sérgio, com novas provas, possamos identificar outras pessoas. Dentre os mandantes é possível que tenham pessoas da classe política”, destaca o promotor. Wider, Amaro Thomé e José Reynaldo Guimarães Carneiro foram os promotores de Justiça que protagonizaram a tese que define o crime como de mando, uma morte encomendada. (LA)


Demora no Judiciário é questionada

O caso emblemático foi desdobrado em duas linhas de investigação: uma sobre o esquema de corrupção no Paço e o outro propriamente sobre a morte de Daniel. O primeiro processo corre o risco de ser prescrito este ano, caso não haja modificações e nem ganhe agilidade nas investigações. Já a morte do petista, por se tratar de homicídio, será prescrita depois de 20 anos.

“A demora é injustificável. Ela decorre de vários episódios pequenos. Um deles foi uma greve de cinco meses dos funcionários do Judiciário. Outro foi a substituição de juízes na Vara. O novo juiz que assume tem de estudar todo o processo. Mas nada justifica um prazo tão longo para solução desses processos”, explica Wider. O processo do homicídio tem mais de 100 volumes e o da corrupção 60 volumes.

O promotor - que não está mais debruçado sobre o processo, agora nas mãos de Francisco Cembraneli (conhecido pelo caso Isabela Nardoni) – ressalta que mesmo neste momento em que a morte completa 10 anos, será difícil comover o Judiciário no intuito de dar celeridade ao caso.

“Em diversos momentos do processo houve repercussão como o ‘investigar é preciso’. O Sérgio Gomes da Silva está solto por medida liminar do presidente do Supremo que, na época, era o Nelson Jobim. Até hoje não houve julgamento desse processo. Vários movimentos foram feitos para que essa ação fosse julgada. O Judiciário não se comove com a opinião pública neste aspecto de dar celeridade”, diz Wider. (LA)


Mortes supostamente ligadas ao assassinato

Celso Daniel: prefeito. Assassinado em janeiro de 2002
Antonio Palacio de Oliveira: garçom. Assassinado em fevereiro de 2003
Paulo Henrique Brito: testemunha da morte do garçom. Assassinado em março de 2003
Iran Moraes Rédua: reconheceu o corpo de Daniel. Assassinado em dezembro de 2003
Dionizio Severo: suposto elo entre quadrilha e Sombra. Assassinado em abril de 2002
Sérgio Orelha: amigo de Severo. Assassinado em 2002
Otávio Mercier: investigador que ligou para Severo. Morto em julho de 2003.
Carlos Delmonte Printes: legista encontrado morto em 12 de outubro de 2005.


Fonte: Reporte Diário - Leandro Amaral

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Sarney lidera com folga concurso 'Algemas de Ouro'


Movimento contra a corrupção 31 de Julho divulga resultado parcial
Globo
RIO - O movimento contra a corrupção 31 de Julho, do Rio, prorrogou a votação para o Troféu Algemas de Ouro 2011, que vai "premiar" os que abusam dos "malfeitos" na política. Os critérios para a escolha dos candidatos são dos organizadores do concurso. Os interessados podem fazer suas escolhas até o dia 15 de janeiro no Facebook.
Até a virada de 2011 para 2012, foram apurados 3.177 votos. O resultado parcial mostra que o senador José Sarney (1.739 votos) passou o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu (686) e agora lidera a “corrida” pelas algemas douradas. A terceira colocada é a deputada federal Jaqueline Roriz, com 293 votos. Ao todo, são nove candidatos: Antonio Palocci (176 votos), Carlos Lupi (107), Alfredo Nascimento (93), Wagner Rossi (32), Orlando Silva (28) e Pedro Novais (21) completam a lista.
Para Ana Luiza Archer, integrante do movimento, o ranking mostra que os eleitores tardam a esquecer denúncias de corrupção:
— O Sarney e o Dirceu não estão no foco da mídia, mas estão disparados na frente. O brasileiro demora para esquecer as denúncias.
A premiação, que será feita com sósias ou bonecos, está marcada para o dia 19 de janeiro, em local ainda indefinido.

Leia mais sobre esse assunto em: http://oglobo.globo.com/pais/sarney-lidera-com-folga-concurso-algemas-de-ouro-3548067#ixzz1jY3QOdr1 

Eleitor elege ‘corrupto do ano’ na internet


Movimento anticorrupção, no Rio, cria votação em rede social para premiar políticos com o Troféu Algemas de Ouro

Fonte: O Estado de S. Paulo
Trilha. Marchinhas sobre honestidade vão dar o tom da festa - Reprodução
Reprodução
Trilha. Marchinhas sobre honestidade vão dar o tom da festa
O pré-carnaval do Rio de Janeiro vai ter uma festa diferente este ano: é o baile do “Pega Ladrão”, marcado para a próxima quinta-feira, onde os políticos envolvidos em suspeitas de corrupção vão ser “homenageados” com o Troféu Algemas de Ouro. A celebração é organizada pelo Movimento 31 de Julho e recebe o apoio de outros grupos anticorrupção que, desde o ano passado, vêm promovendo manifestações por todo o Brasil.
Para eleger quem seria o político mais impune do Brasil, foi criada uma enquete no Facebook e sugeridos nove nomes. Além dos seis ministros do governo Dilma demitidos após denúncias de irregularidades, completam a lista o presidente do Senado, José Sarney (PMDB), o ex-ministro José Dirceu (PT), réu no processo do mensalão, e a deputada Jaqueline Roriz (PMN), absolvida em agosto pela Câmara depois de ter sido flagrada em vídeo recebendo dinheiro.
Os critérios para a escolha dos candidatos foram definidos pelos organizadores do concurso e estão explicados no blog do movimento (movimento31dejulho.blogspot.com). A votação termina hoje. Por enquanto, quem lidera a competição é Sarney, seguido por Dirceu e Jaqueline. Até sexta-feira, mais de 6 mil pessoas haviam votado. O baile de premiação será no Clube dos Democráticos, no bairro da Lapa, reduto da boemia carioca.
“Nós já compramos as algemas e os três primeiros colocados vão recebê-las: tem a de ouro, a de prata e a de bronze”, diz uma das organizadoras do evento, Ana Luiza Archer. A trilha sonora da festa também foi pensada para prestigiar a ocasião: no salão serão tocadas marchinhas e sambas que remetem à impunidade da política brasileira, como Se gritar pega ladrão, de Bezerra da Silva, e Onde está a honestidade?, de Noel Rosa.
 
Segundo Ana Luiza, a ideia de promover um baile e não uma marcha na rua como os protestos anteriores surgiu para aproveitar o clima mais descontraído desta época do ano, que se aproxima do carnaval. “Janeiro é mês de férias, de festas, ninguém está com cabeça para pensar em manifestação”, diz, lembrando que “a alegria e o deboche também são formas de protestar”.
 
Planejamento. Ela afirma que essa será a primeira de muitas ações que os movimentos anticorrupção estão preparando para este ano. A intenção é realizar manifestações mensais com objetivos mais específicos, para acabar de uma vez com as críticas de que os grupos que surgiram em 2011 não defendem bandeiras claras. “Entendemos que com ações focadas fica mais fácil mensurar o resultado, para não dar a impressão que a causa ‘contra corrupção’ é gigantesca”, afirma.
A próxima manifestação, por exemplo, vai focar o processo do mensalão, que deve ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em maio. Entre os planos também está a realização, no mês de março ou de abril, de um “show protesto” na orla carioca para reunir artistas que se identificam com a causa.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Honoráveis candidatos aos troféus Algema de Ouro


Honoráveis candidatos aos troféus

José Sarney começou por baixo, mas subiu tanto que atualmente é o líder da votação no Algemas de Ouro, com 3.576 votos. O resultado  parcial o coloca bem na frente de José Dirceu (1.111) e de Jaqueline Roriz, com 487 votos.
Add caption

http://www.dcomercio.com.br/index.php/politica/sub-menu-politica/80184-algema-de-ouro

Algemas de Ouro


O Globo On Line

Depois de levar milhares de cariocas às ruas em protestos contra a corrupção, o Movimento 31 de Julho resolveu terminar o ano de uma forma bem-humorada: lançou esta semana no Facebook o concurso “Algemas de Ouro 2011″.“Como os malfeitos do poder continuam acontecendo e os corruptos não são presos nem devolvem o dinheiro acumulado com fraudes, desvios e consultorias heterodoxas, este prêmio é mais uma homenagem aos campeões da impunidade no Brasil”, anuncia o grupo na página do concurso.São nove candidatos, entre eles seis ministros que deixaram o governo da presidente Dilma Rousseff sob suspeitas de irregularidades: Antonio Palocci, Alfredo Nascimento, Wagner Rossi, Pedro Novais, Orlando Silva e Carlos Lupi.Completam a lista a deputada federal Jaqueline Roriz (absolvida pela Câmara, depois de flagrada em vídeo recebendo dinheiro), José Dirceu (ex-ministro e réu no processo do mensalão), além do presidente do Senado, José Sarney.Cada usuário pode votar apenas uma vez até o dia 31 de dezembro, quando a enquete será encerrada. Em janeiro, serão entregues os “prêmios” Algemas de Ouro, de Prata e de Bronze aos “vencedores”.

Caso Celso Daniel faz dez anos sem solução

"O caso, em termos de delonga no curso da ação, é emblemático." Foi com essas palavras que o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello defendeu, como relator, a concessão de um habeas corpus em setembro para libertar três acusados de matar o prefeito de Santo André Celso Daniel (PT), em janeiro de 2002.

Na ocasião, o tribunal entendeu que os acusados cumpriam pena há anos sem ter sido julgados. No próximo dia 20, a morte de Celso Daniel completará dez anos à espera de desfecho na Justiça. Ao longo da década, o crime adquiriu contornos de novela policial. Sete pessoas ligadas ao caso, entre testemunhas e acusados de participação no crime, morreram no período. Ex-professor universitário, deputado e prefeito da cidade do ABC pela terceira vez, Celso Daniel foi encontrado morto numa estrada de terra em Juquitiba (SP), alvejado por oito tiros, após dois dias de sequestro. Ele era o escolhido para coordenar a campanha que levaria o ex-presidente Lula ao poder. Hoje, pelo menos dois dos seus ex-secretários ocupam cadeiras importantes em Brasília: os ministros Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) e Miriam Belchior (Planejamento). O caso já foi reaberto duas vezes, investigado pelo Ministério Público, pela Polícia Civil e até pela CPI dos Bingos, em Brasília. O nome do prefeito batizou ginásio, parque e praça, mas o crime permanece sem veredicto. A investigação também marcou um dos mais duros embates entre Promotoria, advogados e o PT. Para o Ministério Público, Daniel foi vítima de crime de mando, encomendado pelo amigo e ex-segurança Sérgio Gomes da Silva. Eles estavam juntos quando o petista foi sequestrado, na saída de um restaurante em São Paulo. Os promotores sustentam que Daniel teria descoberto um esquema de corrupção na prefeitura para financiar campanhas do PT e que o sequestro teria sido simulado. A tese vai na contramão das conclusões da polícia, que defende a versão de que houve crime comum. O PT acusa os promotores de tentarem politizar a morte. Dos oito acusados pelo Ministério Público, somente Marcos Bispo dos Santos foi julgado e condenado, em 2010, a 18 anos de prisão. "O julgamento foi emblemático e abre campo para que outros indiciados sejam condenados", diz Bruno Daniel, irmão do prefeito morto, que voltou ao país em outubro após sete anos de exílio voluntário na França. A acusação foi feita pelo promotor Francisco Cembranelli, que não atuou na investigação, mas foi escalado pelo histórico de sucesso no júri. "Não vou colocar o PT no banco dos réus", diz ele. O julgamento de Gomes da Silva, em júri popular previsto para este ano, é o mais aguardado pela Promotoria. Conhecido como "Sombra", ele chegou a ficar preso por oito meses. Segundo amigos, hoje leva vida discreta no ABC. "O caso destruiu a vida dele", afirma seu advogado, Roberto Podval. O defensor tenta derrubar no STF o poder de investigação do Ministério Público em casos criminais, o que anularia boa parte da apuração. 
Folha de São Paulo

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Desratização do Senado

Pena que a noticia não é verdadeira e após o recesso todos os Ratões estarão de volta!!

Senado manda desratizar Casa
Rosa Costa, de O Estado de S.Paulo
Uma servidora da secretaria-geral do Senado está sob observação médica desde que um rato mordeu o pé dela, no horário de expediente. O “ataque” ocorreu nesta semana e para evitar a repetição do episódio, a secretária-geral da Mesa, Claudia Lyra, divulgou nota informando a “todos” sobre a desratização e dedetização que serão realizadas nesta sexta-feira, 13, à tarde. Ficarão interrompidas as atividades de seu gabinete e das secretarias de coordenação legislativa do Senado e do Congresso, que ficam próximas ao local onde o roedor agiu. As atividades serão retomadas às 10 horas da segunda-feira, 16.
Senado e Câmara estão em período de recesso parlamentar, como são chamadas as férias de deputados e senadores. Eles retornarão ao trabalho dia 2 de fevereiro. A folga este ano foi parcialmente interrompida pela convocação da comissão representativa do Congresso,ontem, para ouvir o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, sobre denúncias relacionadas à pasta.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Veja as denúncias contra os 12 governadores no TSE


Maioria das acusações é por abuso do poder econômico e político e foi apresentada pelo Ministério Público Eleitoral e por candidatos derrotados
 André Puccinelli (PMDB-MS)
O peemedebista é acusado de ter praticado abuso de poder econômico, abuso de poder político, abuso de autoridade e uso indevido dos meios de comunicação social durante as eleições de 2010.
 Antonio Anastasia (PSDB-MG)
O recurso foi apresentado pelo peemedebista Hélio Costa, que perdeu a disputa para o governo local para o tucano. De acordo com a denúncia, houve abuso de poder ecnômico durante a campanha. O peemedebista contesta a assinatura de 3.545 convênios com 842 municípios mineiros nos últimos dias antes de a campanha começar oficialmente. A legislação eleitoral proíbe a transferência de recursos nos três meses anteriores à eleição. A exceção é se os contratos já existiam antes do período eleitoral. Nos convênios, o governo estadual transfere recursos financeiros para serviços, obras e compras nas cidades.
 Cid Gomes (PSB-CE)
No caso do governador reeleito do Ceará, a coligação adversária argumenta que ele utilizou indevidamente a propaganda institucional com o objetivo de promover sua candidatura. Os adversários também acusam o governador de abuso de poder econômico e político.
 José de Anchieta Junior (PSDB-RR)
Entre os governadores, é o que está em situação mais delicada. Em 11 de fevereiro do ano passado, o TRE de Roraima cassou seu mandato por uso indevido dos meios de comunicação. No entanto, dias depois, o TSE concedeu liminar para o tucano permanecer no cargo até o fim do processo e esgotamento dos recursos. Um dos seus processos no TSE chegou a ser extinto em novembro. Porém, no mês seguinte, o TRE-RR novamente deu uma decisão contrária ao tucano. Mais uma vez, ele foi cassado por arrecadação e gastos ilícitos de campanha. Na oportunidade, a corte local manteve Anchieta no cargo até a publicação do acórdão e o julgamento de eventuais recursos. No caso que tramita no TSE, ele é acusado de uso indevido dos meios de comunicação, de abuso de poder político e econômico. Segundo os autores da ação, a população foi “bombardeada”, desde o início da disputa eleitoral, em 2010, “por uma massacrante propaganda eleitoral (negativa, em relação aos autores, e altamente promocional, em relação à chapa encabeçada pelo governador). Eles afirmam que a Rádio Roraima, vinculada ao governo do estado, foi usada para fins eleitorais.
 Marcelo Déda (PT-SE)
Entre os 12 processos que restam, o mais recente é o movido contra o governador de Sergipe. O MPE acusa Marcelo Déda de ter divulgado publicidade institucional nos três meses anteriores ao pleito, em pelo menos três locais públicos, com o símbolo característico da administração estadual. A legislação eleitoral proíbe propagandas neste período, com exceção se forem de utilidade pública. Os procuradores eleitorais também acusam o governador de usar a residência oficial em almoço pago com recursos públicos para cerca de 300 convidados, a maioria líderes políticos do estado. Durante o almoço, ainda segundo a denúncia, Marcelo Déda confirmou sua candidatura à reeleição. Em julgamento no ano passado, o Tribunal Regional Eleitoral do Sergipe (TRE-SE) considerou as provas apresentadas insuficientes para a cassação do mandato e absolveu o petista. Houve recurso e o caso é relatado pelo ministro Marco Aurélio Mello no TSE.

Omar Aziz (PSD-AM)
Ele e seu vice, José Melo de Oliveira, são acusados pelo MPE de abuso de poder econômico e político e uso indevido dos meios de comunicação social. Aziz foi reeleito para um novo mandato à frente do executivo amazonense no primeiro turno com aproximadamente 63% dos votos. De acordo com a denúncia feita pelo Ministério Público, Aziz foi beneficiado pela veiculação de 30 peças de propaganda institucional, em rádios e emissoras de televisão, que totalizaram mais de 6,5 mil inserções. O custo das peças foi de R$ 4,08 milhões.
 Roseana Sarney (PMDB-MA)
A governadora reeleita do Maranhão enfrenta dois recursos contra a expedição de seu diploma. Um foi apresentado pelo candidato derrotado ao Senado José Reinaldo Carneiro Tavares (PSB). O outro foi movido pelo candidato a deputado estadual pelo PRTB José Maria da Silva Fontinele. No primeiro caso, a peemedebista é acusada de abuso de poder político e econômico, compra de votos e fraude. O outro recurso trata de uso indevido dos meios de comunicação. De acordo com Tavares, Roseana assinou, somente em junho de 2010, 979 convênios com municípios com “desvio de finalidade”. Outra fraude, segundo o autor, foi a transferência voluntária de verbas do Fundo Estadual de Saúde aos fundos municipais de saúde, supostamente beneficiando prefeituras governadas pelos “aliados ou neo-aliados”. Para o candidato derrotado ao Senado, ela deve ser cassada também por ter continuado a distribuir bens e benefícios em ano eleitoral. Tavares cita o programa social Viva Casa como exemplo de irregularidade. Ele e Fontinele apontam que, durante a campanha, houve ampla divulgação da candidatura da peemedebista, realizada sob forma de “publicidade institucional contendo expressão identificadora de sua administração e de sua pessoa, com a finalidade de captar ilicitamente o voto do eleitorado”.
 Sérgio Cabral (PMDB-RJ)
A acusação é de abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação durante sua campanha à reeleição. O recurso foi proposto por Fernando Peregrino, candidato derrotado do PR ao governo em 2010. Peregrino também acusa Cabral de abuso de poder econômico, o que, segundo ele, causou desequilíbrio na disputa com outros candidatos.
 Siqueira Campos (PSDB-TO)
O tucano é acusado de abuso de poder econômico e político, uso indevido de meio de comunicação social, compra de votos e conduta vedada a agente público pelo ex-governador Carlos Gaguim (PMDB), que perdeu a eleição.  Segundo a denúncia, prefeitos aliados de Siqueira Campos liberaram servidores públicos municipais para participar de reunião ou caminhada política no horário do expediente. Outra acusação é que houve arrecadação ilegal de recursos para a campanha e propaganda extemporânea. Segundo o candidato derrotado e os parlamentares, o programa tem grande audiência em Araguaína, segundo maior colégio eleitoral de Tocantins, e em outras regiões que, juntas, atingiram mais de 250 mil eleitores.
 Teotônio Vilela (PSDB-AL)
A coligação adversária pediu a cassação do tucano sob o argumento de que ele comprou votos para se reeleger em 2010. Segundo a denúncia, o crime de captação ilícita de sufrágio foi caracterizado pela distribuição de combustível para aproximadamente 2,5 mil carros que participaram “da maior carreata da história de Maceió”. A coligação pediu ao TSE que solicitasse as provas colhidas pela Polícia Federal para comprovar as irregularidades.
 Tião Viana (PT-AC)
Ele é acusado pelo Ministério Público Eleitoral de abuso de poder econômico e político e uso indevido dos meios de comunicação. Na mesma ação, o MPE pede a cassação do diploma do vice Carlos Cesar Correia de Messias e do senador Jorge Viana (PT), irmão do governador e ex-chefe do Executivo acreano. De acordo com a denúncia, eles usaram servidores de empresas privadas que prestavam serviços ao estado para divulgar e realizar campanhas. O MPE disse que a linha editorial dos maiores jornais do estado e das emissoras de televisão e rádio foi dirigida, favorecendo os petistas e prejudicando os adversários. Um dos exemplos dados pelo MPE é de uma reportagem veiculada dois dias antes das eleições sobre a BR-364. Na matéria, a obra foi qualificada como a melhor do governo do Acre.
 Wilson Martins (PSB-PI)
Governador reeleito do Piauí, Martins é acusado, junto com seu vice, Antônio José de Morais Sousa Filho, de compra de votos e uso de propaganda irregular em municípios piauienses. O PSDB é o autor do recurso contra expedição de diploma. De acordo com a coligação tucana, o crime eleitoral ocorreu em três municípios do estado: Batalha, Parnaíba e Piracuruca. Além das acusações nos três municípios, o PSDB também argumenta que, a partir do momento em que assumiu o governo, Martins cometeu abuso de poder econômico e político. De acordo com o recurso, foram protocoladas 11 representações e oito Ações de Investigações Judiciais Eleitorais que denunciam a prática de atos abusivos, utilização de bens imóveis pertencentes à Administração Pública.

ENTENDENDO O 9 DE JULHO

ENTENDENDO O 9 DE JULHO por Ivan César Belentani Capitão da Polícia Militar do Estado de São Paulo. O dia 9 de julho se tornou feriado n...