sábado, 5 de novembro de 2011

Ministro do Trabalho, Carlos Lupi, parece ser a 'bola da vez'


Parece que falta um pouquinho para Lupi também cair
Reportagem da revista 'Veja' desta semana traz a informação de que integrantes do PDT sob o comando do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, transformaram os órgãos de controle da pasta em locais de extorsão. Com base em declarações dadas por de diretores de ONGs, parlamentares e servidores públicos, o esquema funcionaria lugar em primeiro lugar com o ministério contratando entidades para dar cursos de capacitação profissional, e depois assessores exigiriam propina de 5% a 15% com objetivo de resolver 'pendências' criadas por eles mesmos. A reportagem cita o Instituto Êpa, sediado no Rio Grande do Norte, como um dos alvos do achaque. Após receber em dezembro de 2010 a segunda parcela de um convênio para a qualificação de trabalhadores no Vale do Açu, a entidade entrou na mira dos dirigentes do PDT. Segundo a 'Veja', o ministério teria determinado a realização de três fiscalizações, ordenando que não fosse feito mais nenhum repasse;

Quando tentaram resolver o problema, os dirigentes do instituto receberam a informação de que poderiam regularizar rapidamente a situação da entidade, desde que pagando propina, devendo, para isso, entrar em contato com Weverton Rocha, que era assessor especial do ministro Lupi, ou então com Anderson Alexandre dos Santos, coordenador-geral de qualificação, pois ambos eram subordinados a Marcelo Panella, então chefe de gabinete, homem de confiança do ministro e tesoureiro do PDT. Ainda de acordo com os relatos da 'Veja', Weverton Rocha era um dos responsáveis por fixar os valores da propina, e cabia a Anderson Alexandre fazer o primeiro contato. Depois do o acerto, o dinheiro era entregue a um emissário do grupo no Rio de Janeiro. "Você não tem defesa. Já prestou serviço e sofre a ameaça de não receber. Se o sujeito te põe contra a parede, o que você faz?", diz um dos dirigentes da ONG Oxigênio, outro alvo de achaque, que admite ter desembolsado 50 mil reais para resolver 'pendências'. Ele diz ainda: "Quando você tenta resistir, sua vida vira um inferno";

Os fins de semana estão sendo sempre motivo de preocupações na Palácio do Planalto, pois é quando circulam as revistas semanais, quase sempre trazendo novas denúncias de 'malfeitos' no Governo, e sempre praticados por ministros que foram de Lula e 'herdados' pelo presidente Dilma Rousseff. Como se recorda, em dez meses, escândalos em série já derrubaram cinco ministros de Dilma. Foram eles Antonio Palocci (Casa Civil); Alfredo Nascimento (Transportes); Wagner Rossi (Agricultura); Pedro Novais (Turismo); e Orlando Silva (Esporte). Tudo indica que a 'refiorma' ministerial vai prosseguir. Talvez no início de 2012, por força da desincompatibilização de alguns para concorrerem na eleições municipais possa Dilma dispor, finalmente, de um quadro de ministros de sua total escolha. Amém!

Fonte: http://pontoetvirgula.blogspot.com/2011/11/ministro-do-trabalho-carlos-lupi-parece.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados