quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Orlando Silva: “Estou preparado para falar com Dilma

Orlando Silva: “Estou preparado para falar com Dilma”

veja.com
Orlando Silva: "Reunião com a presidente Dilma é um privilégio"

Orlando Silva: "Reunião com a presidente Dilma é um privilégio" (Sérgio Lima/Folhapress)

O ministro do Esporte, Orlando Silva, afirmou nesta quinta-feira, após reunião com a cúpula do PC do B, que está preparado para a conversa que deve ter até o fim do dia com a presidente Dilma Rousseff sobre sua situação política. “Estou sempre à disposição, reunião com a presidente Dilma é um privilégio”, afirmou ao site de VEJA. “Estou sempre preparado para discutir qualquer assunto com a presidente”. Dilma chega de viagem à Brasília no fim do dia, quando deve se encontrar com o comunista.

O ministro disse não temer ser demitido diante da suspeita de ter recebido propina na garagem do prédio do ministério, como revelou VEJA: “Estou muito tranquilo, sereno, confiante”. Orlando Silva disse ainda que recebeu apoio do partido para continuar à frente do cargo e que seu trabalho segue normalmente. Ele afirmou, por exemplo, que tem conversado com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, sobre assuntos relativos à Copa do Mundo de 2014. “Conversamos sempre ao telefone sobre temas do ministério, tarefas que temos em relação à Copa”, disse. “A rotina de trabalho segue”, completou.

Apoio - A reunião da comissão política do PCdoB, que reúne dirigentes e parlamentares, começou às 9 horas e durou seis horas. O encontro estava previamente marcado para ocorrer em São Paulo, no entanto, diante da crise no Esporte, foi transferido para Brasília. Os comunistas manifestaram apoio integral ao ministro e disseram que a saída dele neste momento representaria o linchamento da legenda. “A demissão do ministro implicaria em desmoralização política e ética da figura do Orlando” disse o secretário do Meio Ambiente da sigla, o ex-deputado Aldo Arantes. “Não haverá afastamento, nem substituição do ministro”, afirmou.

Os dois senadores comunistas Vanessa Grazziotin (AM) e Inácio Arruda (CE) também negaram que o partido discuta nomes para substituir Orlando Silva. “Não tem a menor hipótese de a legenda escolher outros nomes. O cargo é da presidente Dilma”, disse Arruda. “Se a presidente Dilma decidir pela saída, a gente volta, senta e conversa”, completou Vanessa.

De acordo com a senadora, o ministro levará à presidente Dilma documentos que comprovariam a inocência dele no caso. Ela admitiu indiretamente, no entanto, temer o conteúdo da gravação que o delator do esquema, o policial militar João Dias, diz ter em mãos. “A reunião tem começo, meio e fim. Não adianta trazer só um pedaço da gravação”, afirmou Vanessa Grazziotin.

O ministro Orlando Silva entrou nesta quinta-feira com uma queixa-crime na Justiça por calúnia contra o policial militar João Dias.

Escândalo - Na edição de VEJA desta semana, João Dias, responsável por duas entidades que receberam dinheiro da pasta, relatou que o PCdoB usava os convênios para fazer caixa de campanha. Das verbas destinadas às ONGs, até 20% eram desviados.

O próprio ministro recebeu uma caixa repleta de dinheiro, de acordo com uma das testemunhas do caso. Orlando Silva nega todas as acusações e diz que João Dias é um "bandido" que não tem qualquer credibilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados