sábado, 27 de agosto de 2011

Caso Ideli - Alguns números da Ação entre Amigos do Dinheiro Público


Caso Ideli - Algma opiniões


Lula e seu amigo Kadafi


Criminalidade no Congresso Nacional configura crise institucional

Complacência do Senado e da Câmara dos Deputados frente aos indícios de crimes cometidos em massa por muitos
de seus integrantes leva a perda de confiança da população nas instituições parlamentares e no processo eleitoral, o que configura uma crise institucional. Os organismos de controle como o Ministério Público Federal e o Tribunal de Contas da União podem ajudar a reverter a crise pelo cumprimento de suas funções constitucionais. É o que a Transparência Brasil insta esses organismos a fazer. Leia a íntegra do manifesto no site da Transparência Brasil.
http://www.transparencia.org.br/index.html

BRASILIA - Ladrões e corruptos impunes por todo lado.

VEJAM OS JORNAIS E REVISTAS, A CADA DIA UMA NOVA DENÚNCIA.

Onde foi parar a honestidade, ética, moralidade do homem público brasileiro?

Porque após as renuncias e cassações dos flagrados o dinheiro não RETORNA aos cofres públicos?

E OS POLÍTICOS FICAM INDIGNADOS COM A LIMPEZA, POR QUE SERÁ?

O CASO IDELI esta vindo à tona!


A ministra direcionou emendas para entidade ligada a funcionário de seu gabinete e para organizações acusadas pela PF de desviar recursos públicos. Ela também terá que explicar no Congresso seu empenho para manter no DnIt um afilhado investigado pelo TCU.

FONTE:
http://www.istoe.com.br/reportagens/154942_IDELI+O+ASSESSOR+E+AS+ONGS?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage


sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Mensalão - Delubio e a cara-de-pau


Mensalão - Genoino e a cueca cheia


Mensalão - O Retorno do Chefe


Mensalão - Nós fizemos o mensalão para você


Mensalão pode prescrever na próxima semana


Passados quatro anos do recebimento da denúncia contra 40 suspeitos de envolvimento no mensalão, o crime de formação de quadrilha, espinha dorsal da denúncia, pode prescrever na próxima semana. Para que este crime não saia impune, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) terão de aplicar penas para os acusados pelo crime de quadrilha superiores a dois. Se a pena não ultrapassar dois anos, os acusados estarão livres desse crime.
São acusados do crime de formação de quadrilha, por exemplo, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, apontado pelo Ministério Público como o chefe do grupo, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-presidente do PT José Genoino. Além deles, há outros 19 réus que responderão pelo mesmo crime.
A pena prevista no Código Penal para o crime de formação de quadrilha varia de 1 a 3 anos de reclusão. Inicialmente, os ministros precisam julgar haver provas suficientes para confirmar a existência da quadrilha e a participação de cada um dos acusados. Ministros do STF, em caráter reservado, avaliam que será difícil obter provas suficientes contra todos.
Caso confirmem a prática do crime, os ministros estabelecerão qual será a pena aplicada a cada um dos condenados. Os ministros deverão considerar os antecedentes de cada um, a conduta social, as circunstâncias e consequências do crime. Além disso, deverá levar em consideração qual será a sanção necessária para reprovar e prevenir a repetição da prática do crime.
Nesse cálculo, parte dos réus pode ser beneficiada com a prescrição em razão da posição que ocupavam no esquema cuja existência foi apontada pela Procuradoria-Geral da República. Se encontradas provas da participação de peças consideradas chave do esquema, como José Dirceu e José Genoino, estes poderão receber penas maiores em razão das posições que ocupavam na época.
Se aplicada uma pena inferior a dois anos, o crime estará prescrito. De acordo com a legislação, o crime estaria prescrito, contados quatro anos após o recebimento da denúncia pelo Supremo. Para penas superiores a dois anos, o prazo de prescrição subiria para oito anos. Nesse caso, o crime não estaria prescrito quando a ação penal for levada a julgamento o que pode ocorrer no próximo ano.
A passagem do tempo e a possibilidade de prescrição preocupavam especialmente o ministro Joaquim Barbosa. Essa foi uma das razões para o ministro ter buscado soluções para evitar possíveis chicanas judiciais.

Fonte: Veja.com

Mensalão - Perderemos a oportunidade de saber quem estava por trás de tudo?


quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Maluf desiste de admitir um crime


Ex-prefeito negociava acordo com promotoria de Nova York para deixar lista de procurados da Interpol; Prefeitura apoiava acerto

O Estado de S.Paulo - 24 de agosto de 2011

Paulo Maluf, que vai celebrar 80 anos em 3 de setembro com pompa e estilo na Sala São Paulo, negociou ao longo de quase um ano acordo com a promotoria de Manhattan (EUA) para ter seu nome excluído do alerta vermelho, o lendário índex dos mais procurados da Interpol em todo o mundo. Em troca, o ex-prefeito e deputado pelo PP admitiria a autoria de um crime pela primeira vez na vida - no caso, delito classificado formalmente de falsificação de registros contábeis praticado nos Estados Unidos.

A confissão histórica se daria perante o Tribunal Criminal de Nova York e de viva voz pelo réu. Sob a condição de não correr nenhum risco de ser algemado, nem mantido em cela prisional, Maluf viajaria para a audiência nos Estados Unidos.

Ele também estava disposto a declarar que "não tem interesse" em US$ 22 milhões do Macdoel Trust, na Ilha de Jersey - fundo controlado por três empresas offshore cuja titularidade o Ministério Público de São Paulo atribui ao ex-prefeito e ao filho mais velho de Maluf, Flávio.

Mas o pacto malogrou há duas semanas, à beira do ato final - assinatura do documento pelas partes envolvidas, os defensores de Maluf, ele próprio e a promotoria americana. Flávio, presidente da Eucatex, ficaria à mercê do Ministério Público brasileiro para eventual ação de natureza penal.

O fracasso da negociação frustra planos da Prefeitura de São Paulo, que pretende investir na área social recursos supostamente desviados de seus cofres na gestão Maluf. A Procuradoria do Município já se havia manifestado favoravelmente ao acordo, do qual a Prefeitura seria parte. O Município seria consultado pela promotoria de Nova York por ser o destinatário final de valores resgatados em Jersey. Advogados foram contratados no Reino Unido pelo governo municipal para acompanhar o caso.

A história secreta do acordo que não deu certo reúne capítulos às vezes marcados pela cautela, outros pela tensão. Foi um jogo de xadrez. De um lado da mesa, advogados de renome e prestígio. Do outro lado, promotores que perseguem com destemor a corrupção e a improbidade. Treze cláusulas compunham o ajuste que, afinal, encalhou.

sábado, 20 de agosto de 2011

Falando do Brasil ?

“Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada”.


Frase da filósofa russo-americana Ayn Rand (judia, fugitiva da revolução russa, que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920), mostrando uma visão com conhecimento de causa.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

PMDB está assustado

PMDB planeja dar um “susto” em Dilma Rousseff
Reunidos na casa de José Sarney, cúpula do PMDB avaliou com irritação a prisão dos aliados do partido na operação da PF que investigou irregularidades no Ministério do Turismo - Jonas Pereira/Senado

Em minha terra chamam isto de chantagem

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

ONG do Turismo usou documentos falsos em convênios

Estadão mostra que Ibrasi usou declarações de prefeitura e vereador para se credenciar para receber dinheiro do Ministério do Turismo

O Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi), investigado pela Polícia Federal por desvio de dinheiro público, fraudou a documentação para assinar convênios com o Ministério do Turismo.

Documentos obtidos pelo Estado mostram que o instituto falsificou declarações de qualificação técnica e capacidade operacional supostamente emitidas por entes ou agentes governamentais, ou usou papéis que não têm valor legal. O Ibrasi já recebeu R$ 14 milhões do Turismo em dois anos. Na sede, uma funcionária informou ontem que ninguém poderia atender para comentar a operação da PF.

Foi apresentada, por exemplo, uma declaração da Prefeitura de Jaguariúna (SP), que a administração da cidade diz desconhecer. “A declaração não tem existência legal, não está registrada, ou sequer (sic) é de conhecimento do titular da secretaria. Desta forma, não tem valor oficial”, informou a prefeitura.

Cópias. Declaração semelhante foi apresentada pelo instituto ao Ministério do Turismo, proveniente do gabinete do vereador paulistano Adolfo Quintas (PSDB). Quintas confirmou que um funcionário de seu gabinete assinou o documento, mas admitiu que o Legislativo não tem prerrogativas para emitir declaração de qualificação técnica e funcionamento regular. Ele disse ainda desconhecer o Ibrasi. “Nem sei quem é esse instituto. Nunca ouvi falar”, disse o vereador tucano.

PF diz que nº 2 do Turismo recebeu propina



Frederico Costa e Mário Moysés receberam dinheiro de esquema, diz diretor-executivo da PF (FONTE: CONGRESSO EM FOCO)

Deputada destinou R$ 9 milhões para entidade investigada


Duas emendas de Fátima Pelaes (PMDB-AP) foram aprovadas e remetidas para o Ibrasi, organização investigada pela Polícia Federal na Operação Voucher

terça-feira, 9 de agosto de 2011

O silêncio de Marta Suplicy

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) anda soltando o verbo na hora de comentar as eleições municipais de 2012, em São Paulo. Tudo para tentar ganhar a preferência do partido na briga com o ministro da Educação, Fernando Haddad, pela candidatura. Mas, nesta terça-feira, esquivou-se das perguntas dos jornalistas sobre a prisão do secretário-executivo do Ministério dos Transportes, Frederico Silva da Costa.

Ele foi subordinado de Marta quando ela era ministra da pasta no governo Lula. “Estou falando com ela [referindo-se a Ideli Salvatti]“, disse, irritada, aos repórteres após cerimônia no Palácio do Planalto.

Fonte: Veja.com

Nas Crises temos a oportunidade de fazer LIMPEZA

No começo de junho começaram a surgir as primeiras denúncias no Ministério dos Transportes.
Depois disso outros quatro ministérios foram relacionados a supostos casos de corrupção:
- Minas e Energia,
- Desenvolvimento Agrário,
- Cidades,
- Agricultura
e agora o Turismo.

VAMOS AJUDAR A DILMA NA LIMPEZA, ACREDITO QUE VAMOS SOMENTE TROCAR OS NOMES DOS LADRÕES, MAS "TEMOS QUE TROCAR"

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Laguardia disse...

Há anos o Supremo Tribunal Federal tem um suas mãos o processo do mensalão, o maior esquema de corrupção já montado neste pais.

O STF indiciou por unanimidade, 40 políticos ligados ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva. O Ministros indiciaram estes corruptos com base em provas levantadas pela Policia Federal, pelas Comissões Parlamentares Mistas de Inquérito e pela Procuradoria Geral da Republica.

O caso está ficando esquecido. O PT montou um esquema bem montado para desacreditar os relatórios e provas levantados.

Este caso não pode acabar em pizza como acontece tantas vezes em nosso Brasil. Dinheiro público foi desviado para beneficiar os detentores do poder.

Não podemos permitir que este caso caia no esquecimento. Precisamos relembrar o povo dos acontecimentos.

Lutamos com o que podemos, com nossos computadores e com a internet. Para isto criamos um site, Mensalão – Nunca antes na história deste pais - http://mensalao.ning.com/

Convidamos os amigos a participar deste esforço se juntando a nós neste site.

Contamos com a ajuda de todos os que querem ver um Brasil onde se valorizem os princípios de ética, honestidade e moral.

Nosso maior problema

O maior perigo nestas próximas eleições é Joaquim Barbosa. É incrível como brasileiro não aprende. É surreal que as pessoas sequer cogitem v...