terça-feira, 17 de maio de 2011

Serra - Tem comportamento de quem tem "rabo preso"

Serra: não vou crucificar Palocci por variação de patrimônio

O ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) afirmou nesta segunda-feira que não é hora de crucificar o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci (PT). De acordo com reportagem publicada no jornal Folha de S. Paulo, o ministro teve o seu patrimônio multiplicado em 20 vezes no período em que foi deputado federal, entre 2007 e 2010.
"De forma alguma iria crucificar alguém porque apresentou determinada variação. O que vale aí é a explicação e ela cabe ao Palocci. Eu prefiro ouvir as explicações dele sem pré-julgar nada. Acho também normal que uma pessoa tenha rendimentos quando não está no governo e que esses rendimentos promovam variação patrimonial, mas isso é com a Receita. Dentro do governo há comissões para cuidar disso", disse.

A reportagem informou que Palocci comprou entre 2009 e 2010 um apartamento no valor de R$ 6,6 milhões e um escritório estimado em R$ 882 mil. Eles são controlados pela Projeto Administração de Imóveis, da qual o ministro tem 99,9% do capital, e estão localizados em área nobre de São Paulo.

Em 2006, quando se elegeu deputado federal, Palocci declarou à Justiça Eleitoral patrimônio estimado em R$ 375 mil. Ainda segundo a Folha de S. Paulo, o petista recebeu R$ 974 mil brutos nos quatro anos em que exerceu o cargo de parlamentar.
Palocci procurou o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, para prestar esclarecimentos sobre o crescimento de seu patrimônio. "Ele me procurou para dizer que tinha cumprido todas as exigências legais, ou seja, tinha comunicado à Comissão de Ética Pública (seu patrimônio) e apresentado as declarações (de sua empresa), que eram as obrigações que deveria cumprir", disse nesta segunda-feira Jorge Hage.

Serra se reuniu nesta segunda-feira com o presidente nacional do PT, Rui Falcão, na Assembleia Legislativa de São Paulo. Os dois discutiram temas sobre a reforma política em cerca de 40 minutos de conversa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados