domingo, 31 de outubro de 2010

E a Vergonha Brasil?


O que aconteceu com a vergonha? Está mais que na hora de estarmos indignados com ela; ou melhor, com a ausência dela. E também, com a nossa miséria de cada dia, que nunca se acaba.

Acabam com a dignidade e com o dinheiro público, mas não com a violência ou a miséria. Shakespeare nos alertou que “os miseráveis não tem outro remédio a não ser a esperança”. E antes que se acabe de vez a esperança, deixemos ao menos de ser miseráveis de caráter e de honra, estas misérias parideiras de todas as outras.

Tenhamos indignação com a indigna ação. E com essa indigna nação, onde voam malas de dinheiro, do dinheiro arrancado de todos nós. Só não voam os aviões, neste país onde a crise de hoje se transforma no caos de amanhã, logo bem cedo.

A leviandade e o escárnio dos nossos representantes levam o Brasil a andar de braços dados com a injustiça e o caos. As instituições existem, mas não operam como deveriam, porque são podres os poderes. Poderes que já nascem deformados e corrompidos no dia das eleições. O nosso voto apenas cobre esse lixo imoral com o manto da legitimidade, que ele tanto necessita para usurpar nosso país e nosso futuro. Velozmente à eleição, segue-se a traição. Assim permitimos que aumente o número de sem-vergonhas e sem-moral que escolhemos e pagamos para nos roubar e nos espoliar.

O país do futuro dormiu demais em seu berço, já não tão esplendido assim. Perdeu o respeito e a vergonha e hoje é a terra dos sem-futuro. Somos sem-terra, sem-teto, sem-emprego, sem-saúde e agora somos até sem-vôos. Exportamos filhos da pátria, atrás de sonhos e de vida digna para outras terras. Voam para longe desta terra ainda adorada, mas uma pátria menos amada que antes. É a pátria que os pariu, permitindo que a miséria, a violência e o descaso os abortem depois de nascidos. Mata uns de bala, outros de fome e uns poucos de vergonha.

Mas achamo-nos perfeitos, malandros, todos cheios de jeitinhos, nessa metamorfose que nos reduziu de povo consciente em rebanho domado. Dominado por políticos mal-intencionados e empresários corruptores, amparados por uma Justiça paralítica, escondida atrás da permissividade. Um atabalhoado Congresso, tal e qual verdadeira mãe gentil, dá infame guarida a todos. Se o cobrirmos vira circo e se o cercarmos, não quero nem imaginar o quão trágico, cômico e bizarro seria.

Estão todos insanos se acreditam que isto, assim, algum dia possa dar certo. Seria uma grande piada, se disso não dependessem as vidas de milhões de brasileiros. Aqui é assim, uma crise puxa a outra, seja energética, aérea ou moral, e as duas puxam o Brasil para o buraco. E o buraco é bem mais abaixo, lá onde as leis protegem os crimes e a verdade escorre pela palma da mão.

A corja se perpetua num grande embuste verde-amarelo, com um cinismo que já é parte da nossa história. Mal se grudam no poder e já logo preparam herdeiros e sucessores. Por nossa omissão e passividade, a caterva aumenta e se reproduz.

Já que ainda persiste a sujeira por todos os lados e sequer se cumpre a nossa constituição, a pergunta abortada no passado regurgita elétrica, das entranhas: Que país é esse?

Não sabemos mais qual é a verdadeira cara do Brasil. Será a da corrupção ou a da desesperança? Mostra a tua cara, que eu quero ver. Mostra vergonha na cara, Brasil!

Acorda terra brasilis, assim não tem futuro! Esta não é, e nem podemos permitir que seja, a cara do nosso Brasil. Essa cara suja, sofrida, envolta por esse mar marrom e asqueroso, que chamemos de lama, onde diariamente afundam as nossas esperanças.

A verdade é conhecida e os culpados somos nós. Nós que, passivos, omissos e covardes, nunca antes fomos tão pouco brasileiros. Fingimos que a decência sobrevive, mas sabemos que é ilusão.

Chega! Expurguemos esses párias, assim como os perversos que os seguem e sustentam. É hora de reconfigurar esse Brasil desfigurado, para sermos cada vez mais brasileiros. Brasileiros com muito orgulho, com muito amor, mas de alma lavada e vergonha na cara, sim senhor!

Dilma, Petistas e PNDH3, eu estarei sempre lutando contra vocês!

O preço da liberdade é a eterna vigilância!
Não teremos um país sem homens sem livros e sem liberdade!
Estou com o "Manifesto Pela Democracia".
Juntem-se a nós.
http://www.defesadademocracia.com.br/

Adeus Lula, já vai tarde!


Esta deixando em seu lugar um lixo pior que você!
Não perdoaremos você nunca!

Praga - Luiz Fernando Verissimo

Eu tomo remédio para controlar a pressão.
Cada dia que vou comprar o dito cujo, o preço aumenta.
Controlar a pressão é mole. Quero ver é controlar o preção.
Tô sofrendo de preção alto,
O médico mandou cortar o sal.
Comecei cortando o médico, já que a consulta era salgada demais.
Para piorar, acho que tô ficando meio esquizofrênico. Sério!
Não sei mais o que é real.
Principalmente, quando abro a carteira ou pego extrato no banco.
Não tem mais um Real.
Sem falar na minha esclerose precoce. Comecei a esquecer as coisas:
Sabe aquele carro? Esquece!
Aquela viagem? Esquece!
Tudo o que o barbudo prometeu? Esquece!
Podem dizer que sou hipocondríaco, mas acho que tô igual ao meu time:
- nas últimas.
Bem, e o que dizer do carioca? Já nem liga mais pra bala perdida...
Entra por um ouvido e sai pelo outro.

Faz diferença...
"A diferença entre o Brasil e a República Checa é que
a República Checa tem o governo em Praga
e o Brasil tem essa praga no governo"

Vamos votar no menos pior!


Mais uma campanha sem propostas, típica de gestores públicos, chatos , cuja única competência é o conhecimento da máquina burocrática

Os que pensam como eu votaram na Marina, mesmo sabendo que era VERMELHA, e que estava VERDE por força das circunstâncias (ou por azia). Meu voto nela foi de protesto ainda que ela apresentasse uma postura de estadista que estes ai da foto não possuem.


Dilma, "a burocrata" surgiu do bolso do Lula por falta de opção, era uma desconhecida, todos sabemos que o candidato natural seria o Zé Dirceu, queimado por ser o Big Boss do Mensalão.


Dilma muito provavelmente será eleita, as pesquisas ainda que pouco confiáveis apontam. Está garantida pelo "CURRAL ELEITORAL DO BOLSA FAMÍLIA" daqueles que tem medo de perder o benefício, pela popularidade do presidente Lula e pelo excelente trabalho feito pelos marqueteiros que souberam explorar muito bem aquele medo e aquela popularidade, transformando joio em trigo.


O PSDB escolheu o Serra, errou quando confundiu a pouca afeição que os paulistas tem pelo petismo com popularidade do Serra. O Serra apresentou inegável competência no executivo municipal, estadual e em ministérios, mas assim como a Dilma foi um burocrata e para um oposicionista foi comedido e covarde quando poupava o presidente Lula e a adversária. Seu vice, o Deputado Indio da Costa foi mais contundente e mostrou a que veio. enfim, como grande força da oposição, o PSDB errou quando não renovou na escolha, sequer cogitando nomes como do Senador Alvaro Dias.


O voto nulo ou branco seria minha alternativa.


“Tudo que é preciso para o triunfo do mal é que as pessoas de bem nada façam.”
Edmund Burke


Assumir qualquer lado é melhor do que não assumir nenhum! E considerando que o grande segredo da democracia é a alternância no poder, sou contra a reeleição e contra a perpetuação do poder de determinados partidos


Como podem ver não morro de amores pelo Serra, apesar do PSDB ter limite ético, mas enquanto o PT não sair do poder, votarei contra a todos os candidatos do PT. Porque o PT tem uma ideologia rançosa, tem gana pelo poder absoluto, e adota todos os meios a sua disposição para atingir seus objetivos. A vitória da Dilma garante a pemanência de mensalões e mensaleiros, tráfico de influência, muita corrupção, teremos nossas liberdades em jogo pelo PNDH 3, do qual Dilma é signatária. Lula e seu PT são parceiros dos "assassinos" irmãos Castro, "inimigos do direitos humanos", do Rei Chaves I da Venezuela, do Evo, o "cocaleiro", da Kirchner "a loira burra", do Lugo, "o prolifico", do Correa "o golpista", Ahmadijad "o islamico nuclear", das Farc "os narcoguerrilheiros", e são também mentores intelectuais do "Fóro de São Paulo", "clube esquerdista latino-americano" e de tudo o mais que for nefasto no mundo.

Mesmo com um nó no estomago assumo que voto no Serra, por que é preciso higienizar Brasilia, mesmo que mais sujeira chegue ao poder. Afinal tirar a corja que esta em Brasilia seria um ganho ainda que momentâneo.

Lord




sexta-feira, 29 de outubro de 2010

"Nós enforcamos os ladrõezinhos e indicamos os grandes ladrões para cargos públicos"
Esopo

Os que contemplam calados o avanço dos fora-da-lei são tão velhacos quanto os que absolveram ostensivamente o bando do mensalão
“Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente, e pela mesma razão”
Eça de Queiroz
Na política não há amigos, apenas conspiradores que se unem. Victor Lasky
Houve um tempo em que boa parte do debate político no Brasil era feito em termos da honestidade e integridade versus desonestidade e falta de princípios dos homens públicos. HOJE NÃO SE FALA MAIS NISSO, TODOS SÃO DESONESTOS
Blogueiros políticos são Quixotes modernos na luta contra a corrupção, mesmo sabendo que somos utópicos nos recusamos a desistir, porque ainda temos "esperança"
Lord
A força de um guerreiro não está em sua espada e sim no desejo de cumprir a justiça
O socialismo é a filosofia do fracasso, a crença na ignorância, a pregação da inveja. Seu defeito inerente é a distribuição igualitária da miséria.
W. Churchill
"A impunidade é a matriz e a geratriz de novos e insensatos acontecimentos e o desmoronamento do que ainda resta de bom na alma humana"
Professor Leon Frejda
ÉTICA E CORRUPÇÃO - Na hora de fazer a faxina, cabe a nós mostrar que as nações que prosperaram foram as que acreditaram em valores elevados

Mais um roubo do ditador venezuelano

A mais recente expropriação feita por Chávez deixa ainda mais claro seu caráter socialista e ditatorial. Segundo a Folha de S. Paulo (26/10) e O Estado de S. Paulo (27/10), o presidente venezuelano nacionalizou uma filial da empresa americana Owens Illinois, que é lider na produção de recipientes de vidro, alegando, como sempre, que a empresa vem “explorando a Venezuela”.

Como se tudo isso não bastasse, anunciou que existe uma “lista” de empresas a serem desapropriadas. Além disso, ameaçou os bancos privados que não colaborarem com “o país” – leia-se, com o socialismo chavista.

Desde 2009 cerca de 10 bancos foram liquidados ou estatizados. Várias empresas foram simplesmente roubadas (pois esse é o termo que melhor define expropriação).

E ainda há gente que quer impor o “Socialismo do Século XXI” no Brasil!

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto"
Ruy Barbosa
“O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons”
Martin Luther King

O castigo

O maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados pelos que se interessam
Arnold Toynbee

O Analfabeto Político

O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.

O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais


Futuro? Você decide


Do blog Anti Foro de São Paulo

Ficha Limpa vale nestas eleições

Corte analisou recurso de Jader Barbalho, barrado no Senado após renúncia para escapar de punição

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quarta-feira, que a Lei da Ficha Limpa é válida e deve ser aplicada nas eleições deste ano. Depois do desgaste público de sua imagem no caso Roriz, quando não conseguiu pôr fim a um inédito impasse sobre a validade da norma, a Suprema Corte cumpriu seu papel. Após mais de seis horas de intenso debate - e novo empate -, chegou finalmente a uma conclusão.

Para sair do impasse, a maioria dos ministros decidiu seguir a sugestão do decano Celso de Mello e recorrer ao regimento interno da corte ao analisar recurso do deputado federal Jader Barbalho (PMDB-PA). Diz o artigo 205 do regimento que, em caso de empate, "havendo votado todos os ministros, salvo os impedidos ou licenciados por período remanescente superior a três meses, prevalecerá o ato impugnado". Traduzindo: como a composição do tribunal está incompleta desde a aposentadoria de Eros Grau, prevalece a medida questionada - a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que barrou Jader com base no crivo da nova lei.

Na prática, a Ficha Limpa permanece em vigor. Como consequência, Jader Barbalho (PMDB) tem o registro indeferido e não poderá assumir o cargo de senador, para o qual teve votos suficientes no estado do Pará. Em 2001, ele renunciou ao mandato no Senado para escapar de um processo de cassação por suspeita de desvio de recursos do Banpará e da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). A Lei da Ficha Limpa, sancionada em junho deste ano, torna inelegíveis os políticos que renunciarem para escapar de punição.

Segundo a assessoria do Supremo, a decisão desta quarta-feira será aplicada a outros casos em que políticos renunciaram para escapar de punição. As demais hipóteses previstas pela Ficha Limpa poderão ser analisadas em julgamentos futuros.

Caso Roriz – Em setembro, a Lei da Ficha Limpa chegou pela primeira vez ao plenário da Suprema Corte por causa de um recurso do então candidato ao governo do Distrito Federal Joaquim Roriz (PSC-DF). A polêmica rachou o tribunal. Na ocasião, o julgamento - que chegou à madrugada - terminou em um inusitado empate de 5 a 5. A discussão foi interrompida sem decisão alguma. Em seguida, Roriz renunciou à disputa pelo governo do DF e a coligação indicou sua mulher, Weslian Roriz, para concorrer ao cargo.

O impasse aconteceu porque não houve o voto do 11º ministro. A cadeira de Eros Grau, que se aposentou, está vazia à espera de novo ocupante. A indicação deveria ter sido feita pelo presidente Lula, mas, ao que tudo indica, ele vai deixar a decisão para o próximo presidente da República eleito. Os ministros chegaram a discutir os possíveis desfechos para o impasse e cogitaram esperar a nomeação do novo ministro. Depois de adiar a proclamação do resultado, foram surpreendidos pela renúncia de Roriz.

Votos - Quando a Ficha Limpa voltou a ser discutida, nesta quarta, o posicionamento dos magistrados já era publicamente conhecido. Primeiro a votar, o relator, Joaquim Barbosa, sustentou que a lei é válida e deve ser aplicada neste caso: “Há de se prevalecer a ótica interpretativa de interesses maiores de toda a comunidade, que coíbam abuso no exercício de funções públicas. A lei Complementar 135 (Lei da Ficha Limpa) se aplica de modo uniforme a todos os participantes da disputa, sem violar o principio da isonomia, e não gerou desequilíbrio entre as forças eleitorais em disputa".

Os ministros Carlos Ayres Britto, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Ellen Gracie acompanharam Barbosa e defenderam a inelegibilidade de Barbalho. Marco Aurélio Mello, José Antonio Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e o presidente, Cezar Peluso, votaram de forma contrária. "Essa é uma lei personalizada, que atinge pessoas determinadas e conhecidas", disse Peluso.

Com o voto do presidente, o tribunal voltou ao impasse de 5 a 5 e precisou chegar a uma conclusão. Depois de acalorado debate, o julgamento foi concluído.

Procuradoria Eleitoral denuncia 12 por compra de votos no Acre

O Ministério Público Eleitoral do Acre denunciou na tarde desta quinta-feira (27) a deputada federal eleita Antônia Lucia Câmara (PSC) e outras 11 pessoas --entre políticos e militantes do PSC-- por compra de votos.

O ex-governador Romildo Magalhães (PSC) também está entre os denunciados

De acordo com as investigações, os acusados utilizaram de forma irregular a estrutura de igrejas evangélicas e a rádio e TV Boas Novas para conseguirem votos.

No inquérito ainda consta o uso de um telefone celular que está em nome da Câmara dos Deputados. O aparelho, dizem as investigações, estava sob responsabilidade do deputado federal pelo Amazonas Silas Câmara, marido de Antônia Lúcia.

A denúncia aponta que os envolvidos trocaram gasolina por voto, o que acabou flagrado pela PF (Polícia Federal) no dia 28 de agosto.

A assessoria de imprensa da Procuradoria confirmou, em nota, que os R$ 472.130 que foram encontrados dentro de uma caixa de papelão pela PF, no dia 5 de setembro, fazem parte de um esquema de caixa dois. O dinheiro foi trazido de Boca do Acre (AM) para o Acre.

Os envolvidos responderão ainda pelos crimes de falsidade ideológica com finalidade eleitoral, fraude processual, formação de quadrilha, peculato, falso testemunho e fraude processual.

Caso sejam condenados, os eleitos perderão os mandatos, além de terem que pagar uma multa superior a R$ 50 mil e ficarem impedidos de concorrer a cargo público por oito anos.

Os outros acusados também terão que pagar multa e se tornarão inelegíveis.

A reportagem tentou ouvir Antônia Lúcia Câmara, mas a rádio Boas Novas, de propriedade da família Câmara, estava fechada. Por telefone, o advogado da acusada, Paulo Henrique Cestaro, afirmou não ter conhecimento da denúncia e que somente após ser notificado decidirá quais as providências a serem adotadas.

Magalhães também foi procurado, mas não foi encontrada. A reportagem também tentou falar com os representantes do PSC, mas eles não foram encontrados.

Erenice usou carta a Dilma para pressionar Anatel a dar concessão

Erenice Guerra usou uma carta enviada à então titular da Casa Civil, Dilma Rousseff, para pressionar a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) em 2007 em favor da Unicel Telecomunicações, informa reportagem de Elvira Lobato e Mario Cesar Carvalho publicada na Folha desta quinta-feira íntegra somente para assinantes do jornal e do UOL).

O marido de Erenice, José Roberto Campos, era consultor da empresa.

Ameaças para o Brasil: Reformas socialistas

Em meio ao conjunto de crises que atualmente fustigam a Nação, abre contraste luminoso nossa situação agropecuária, em franco progresso em seus aspectos essenciais, de sorte a constituir hoje, segundo o consenso nacional, a coluna-mestra e a salvaguarda honrada e forte da economia nacional.

Plinio Corrêa de Oliveira

Isto faz compreender quanto é de se temer que uma Reforma Agrária radical, inspirada toda ela em cogitações preponderantemente ideológicas, e não em considerações concretas e práticas que tenham em vista a realidade dos serviços e das necessidades da agropecuária e do País, reforme nossa estrutura agropecuária (deforme, seria o termo exato) com o risco de ficar abatido assim o baluarte que resta da prosperidade nacional, e portanto o baluarte econômico mais válido do próprio Brasil.

Com efeito, a Reforma Agrária surpreende por ser toda ela concebida e redigida com as costas voltadas para a realidade histórica mais recente e ao mesmo tempo mais flagrante. Confere ao Estado atribuições com amplidão típica de uma ditadura stalinista, ou mais ou menos tanto, tornando-o detentor de poderes absolutos para pôr e dispor, segundo o arbítrio de seus mais altos órgãos, dos bens e da situação pessoal de todos os agricultores e pecuaristas do País.


Isto faz compreender quanto é de se temer que uma Reforma Agrária radical, inspirada toda ela em cogitações preponderantemente ideológicas, e não em considerações concretas e práticas que tenham em vista a realidade dos serviços e das necessidades da agropecuária e do País, reforme nossa estrutura agropecuária (deforme, seria o termo exato) com o risco de ficar abatido assim o baluarte que resta da prosperidade nacional, e portanto o baluarte econômico mais válido do próprio Brasil.

Com efeito, a Reforma Agrária surpreende por ser toda ela concebida e redigida com as costas voltadas para a realidade histórica mais recente e ao mesmo tempo mais flagrante. Confere ao Estado atribuições com amplidão típica de uma ditadura stalinista, ou mais ou menos tanto, tornando-o detentor de poderes absolutos para pôr e dispor, segundo o arbítrio de seus mais altos órgãos, dos bens e da situação pessoal de todos os agricultores e pecuaristas do País.


PNDH-3: Todo o poder aos sovietes (conselhos e CEBs)

De cima abaixo, em todos as áreas e níveis da atividade nacional, o PNDH-3 instala “conselhos” ‒ de preferência “populares” ‒ onde a “sociedade civil” vai exercer a “democracia participativa”. Isto vale para os “direitos humanos”, meio-ambiente, Justiça, símbolos religiosos, reforma agrária, para citar poucos exemplos.

Neles, o ator principal será a “sociedade civil” cuja representação será feita notadamente pelos “movimentos sociais”.

Em outras palavras, os ativistas e agentes das ONGs ativistas a mando material e ideológico do petismo.

A idéia não é nova. É até vetusta. Ela já gerou algumas das maiores aberrações da história. Trata-se do famigerado sistema dos sovietes da ex-URSS.

Qual a origem dos Sovietes?

O PNDH-3 propõe a instalação de conselhos populares para regular diversas instituições da sociedade. Ora, de onde vem essa idéia? Da Rússia comunista! O resultado todo o mundo já sabe… Mas querem isso para o Brasil com o PNDH-3!

Sobre o significado de SOVIETE, consta no Aurélio o seguinte:

Do russo sovet, “conselho celebrado por diversas pessoas”, pelo francês e pronunciado alfabeticamente, pois o russo soa saviet.

Designação comum a conselhos integrados por delegados operários

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Manifesto em Defesa da Democracia


Numa democracia, nenhum dos Poderes é soberano. Soberana é a Constituição, pois é ela quem dá corpo e alma à soberania do povo.

Acima dos políticos estão as instituições, pilares do regime democrático. Hoje, no Brasil, inconformados com a democracia representativa se organizam no governo para solapar o regime democrático.

É intolerável assistir ao uso de órgãos do Estado como extensão de um partido político, máquina de violação de sigilos e de agressão a direitos individuais.

É inaceitável que militantes partidários tenham convertido órgãos da administração direta, empresas estatais e fundos de pensão em centros de produção de dossiês contra adversários políticos.

É lamentável que o Presidente esconda no governo que vemos o governo que não vemos, no qual as relações de compadrio e da fisiologia, quando não escandalosamente familiares, arbitram os altos interesses do país, negando-se a qualquer controle.

É inconcebível que uma das mais importantes democracias do mundo seja assombrada por uma forma de autoritarismo hipócrita, que, na certeza da impunidade, já não se preocupa mais em valorizar a honestidade.

É constrangedor que o Presidente não entenda que o seu cargo deve ser exercido em sua plenitude nas vinte e quatro horas do dia. Não há “depois do expediente” para um Chefe de Estado. É constrangedor também que ele não tenha a compostura de separar o homem de Estado do homem de partido, pondo-se a aviltar os seus adversários políticos com linguagem inaceitável, incompatível com o decoro do cargo, numa manifestação escancarada de abuso de poder político e de uso da máquina oficial em favor de uma candidatura. Ele não vê no “outro” um adversário que deve ser vencido segundo regras, mas um inimigo que tem de ser eliminado.

É aviltante que o governo estimule e financie a ação de grupos que pedem abertamente restrições à liberdade de imprensa, propondo mecanismos autoritários de submissão de jornalistas e de empresas de comunicação às determinações de um partido político e de seus interesses.

É repugnante que essa mesma máquina oficial de publicidade tenha sido mobilizada para reescrever a História, procurando desmerecer o trabalho de brasileiros e brasileiras que construíram as bases da estabilidade econômica e política, que tantos benefícios trouxeram ao nosso povo.

É um insulto à República que o Poder Legislativo seja tratado como mera extensão do Executivo, explicitando o intento de encabrestar o Senado. É deplorável que o mesmo Presidente lamente publicamente o fato de ter de se submeter às decisões do Poder Judiciário.

Cumpre-nos, pois, combater essa visão regressiva do processo político, que supõe que o poder conquistado nas urnas ou a popularidade de um líder lhe conferem licença para ignorar a Constituição e as leis. Propomos uma firme mobilização em favor de sua preservação, repudiando a ação daqueles que hoje usam de subterfúgios para solapá-las. É preciso brecar essa marcha para o autoritarismo.

Brasileiros erguem sua voz em defesa da Constituição, das instituições e da legalidade.

Não precisamos de soberanos com pretensões paternas, mas de democratas convictos.
Fonte: http://www.defesadademocracia.com.br/manifesto-em-defesa-da-democracia/

A LUTA CONTINUA

Em oito anos uma das marcas do governo Luiz Inácio da Silva foi a total falta de disposição para comprar brigas com este ou aquele setor em prol do bem coletivo.

Para não se indispor com áreas que poderiam a vir lhe fazer falta nos momentos que realmente interessam - os eleitorais -, o presidente da República desistiu das reformas sindical, trabalhista, previdenciária, política e tributária.
Dora Kramer
Defendeu malfeitorias em público e precisou até desistir de seu plano de conquistar um terceiro mandato quando viu que o Senado não aprovaria e, se aprovasse, o Supremo Tribunal Federal não deixaria prosperar.

Mudou, então, o plano e decidiu disputar por meio de interposta pessoa.

De um só propósito Lula e o PT não desistiram até hoje: de controlar os meios de comunicação.

As tentativas têm a idade dos dois mandatos de Lula, mudam de feição, alteram o figurino, mas não abandonam o ringue.

O mais direto seria propor regras mediante as quais o governo federal exercesse controle sobre o conteúdo do que é divulgado nos jornais, revistas, emissoras de rádio e televisão.

Mas, por aí o caminho está interditado.

Há a acusação de censura e reação forte.

Tenta-se, então, montar um disfarce e construir um discurso de defesa da "democratização" dos meios de comunicação.
A palavra de ordem é desconcentrar, romper a ação da "mídia monopolista".

O objetivo, entretanto, é sempre o mesmo: controlar, fiscalizar, punir, pressionar.

Todas as iniciativas que surgiram até agora tiveram esse mesmo caráter: o conselho lá do início, aquele cuja proposta de criação o próprio Planalto se comprometeu a encaminhar ao Congresso, a Conferência de Comunicação, o Plano Nacional de Direitos Humanos 3, o programa do PT aprovado em congresso no início deste ano e agora essas iniciativas estaduais de montagem de conselhos controladores.

Claro que a exposição de motivos oficial não é essa assim tão dura.

Apresentam-se como defensores da sociedade contra abusos e ilegalidades cometidas por revistas, rádios, jornais e televisões.

E para isso evidentemente o Estado precisa ter instrumentos de fiscalização sobre os conteúdos.

Ora, aquela argumentação acima é falsa pelo seguinte:
para coibir abusos há a Justiça, para controlar ilegalidades, também; para regular confiabilidade há a avaliação do público e para assegurar a multiplicidade há a concorrência.

Mas, como o que interessa de fato é o controle direto para assegurar o enquadramento na "linha justa" e a disseminação do mesmo tipo de pensamento para que se possa, assim, construir uma hegemonia social em torno de um projeto de poder, torna-se imprescindível criar os conselhos.

E, se não for de um jeito, vai de outro como o Poder Legislativo do Ceará fez e como os Poderes Executivos dos Estados da Bahia, Piauí e Alagoas propõem.

Os dois primeiros governados pelo PT, mas o último pelo PSDB que se diz contrário às ofensivas autoritárias, mas não se pronunciou a respeito da proposta feita pela Casa Civil do governo Teotônio Vilela Filho.

Nenhuma das ofensivas prosperou até hoje.

Dificilmente prosperarão as novas, exatamente porque a imprensa está atenta (daí a contrariedade).

Mas convenhamos que é um atraso uma democracia que se pretende madura precisar ficar de vigília para que não lhe roubem a liberdade de pensar e de dizer.

O Chefe da Quadrilha. Dá Pra Ter Alguma Dúvida?




Não sem tem como negar o fato de não ser possível discutir com um marginal. Vai-se discutir o que? O direito que tem de fazer um seqüestro? De colocar, em um assalto, o cano da arma da barriga de uma grávida (a mesma coisa que estão fazendo no PNDH3!) e disparar?

Crime é crime! Não se tem como discutir a licitude de um crime com um marginal, com quem os pratica.

Com marginal não se pode ter conversa.

Petralhas, todos, são marginas! Se não fossem, já teriam abandonado a quadrilha travestida de partido político. Mas vejam, o que fazem? No caso da agressão a Serra (vide fotos abaixo), eles simplesmente não vêem os paus, as pedras, o grupo organizado...falam apenas de uma bolinha de papel, como se não vissem o resto do acontecido. Esta é, e sempre será a atitude de um marginal.

“Ahhh, que isso doto! Nóis assalta puquê nóis não tem empregu.” “Oras, ele si mexeu e aí eu dei um teco na cabeça dele...quem mando ele si mexê? E como eu ia adivinhá que ele tinha oitcho anus?”

...marginal é marginal.

Pra não ficar dúvidas do que seja realmente o PT e quem é o chefe desta quadrilha, ficam essas três fotos que dizem tudo! Dispensa qualquer explicação:






Tem o porque de não dizer a verdade, ou seja, de não chama-lo de QUADRILHEIRO
É EXATAMENTE O QUE ELE É, UM QUADRILHEIRO! O CHEFE DE UMA QUADRILHA!!!



Fonte: http://olhosqueveem-marquer.blogspot.com/2010/10/o-chefe-da-quadrilha-da-pra-ter-alguma.html

Ives Gandra fala sobre PNDH-3 no Jô Soares



O STF vota nesta quarta-feira a aplicação da Lei da Ficha Limpa

O Supremo Tribunal Federal volta a julgar, nesta quarta-feira (27/10), a aplicação da Lei Complementar 135/10 (Lei da Ficha Limpa) para as eleições deste ano diante de um dilema: achar uma saída para o impasseque rachou o tribunal quando os ministros julgaram o recurso do ex-candidato ao governo do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PSC), há quase um mês.

Na ocasião, depois de duas sessões que somaram 15 horas de discussão, o julgamento foi suspenso sem a proclamação do resultado porque cinco ministros votaram pela aplicação imediata da lei e cinco, contra. Com o placar, os juízes passaram a discutir de forma acalorada sobre como desempatar a decisão. A paixão tomou conta das discussões e a única saída foi encerrar a sessão sem qualquer resultado definido.

Na quarta-feira, será julgado o recurso de Jader Barbalho (PMDB-PA) contra a rejeição do registro de sua candidatura pelo Tribunal Superior Eleitoral. O caso é muito semelhante ao de Roriz: Barbalho renunciou ao cargo de senador em 2001 para escapar de um provável processo de cassação. Nas eleições de 3 de outubro, obteve 1,79 milhão de votos e e se elegeu em segundo lugar para representar o Pará no Senado.

Em entrevista nesta sexta-feira (22/10), o presidente do Supremo, ministro Cezar Peluso, chegou a considerar a possibilidade de o tribunal se ver diante de novo impasse: “Possibilidade teórica (de continuar empatado) sempre tem. Eu não saberia fazer uma avaliação hoje”. Mas, em seguida, afirmou que “pode ser até que o tribunal encontre uma solução não aventada até agora”.

Questionado sobre se estaria disposto a proferir o voto de desempate, Peluso respondeu: “Eu estou disposto a aguardar o julgamento de quarta-feira”. A possibilidade de o presidente do STF desempatar o julgamento, apesar de prevista no regimento interno da Corte, foi duramente atacada pelos ministros que defendem a aplicação imediata da Lei da Ficha Limpa. Peluso, que teria o privilégio de votar duas vezes, é contra.

Ministros consideram a possibilidade de haver conversas nos dias que antecedem o julgamento para que seja desenhada uma solução antes de o recurso começar a ser julgado. Advogados consideram que a solução pode partir da ministra Ellen Gracie.

A ministra é a integrante do colegiado que se envolveu de forma menos apaixonada com o assunto. No julgamento em que o Supremo derrubou a verticalização, ela sustentara a inconstitucionalidade de lei eleitoral vigorar no mesmo ano de sua edição. Embora tenha decidido diferente agora, é a única votante que pode ceder no sentido de abrir o segundo voto para o presidente, o que decidiria a questão imediatamente.

OPINIÕES SEMELHANTES DO MESMO FATO


Agora, o PT não tem dúvidas de que Tuma Jr. é a fonte da capa da “Veja”desta semana. A revista fala de gravações em que Pedro Abramovay, sucessor de Tuma, diria não aguentar mais pedidos de Dilma e Gilberto Carvalho para fazer dossiês contra adversários do governo.
Medo de avião
Veja como Lula faz qualquer coisa para eleger Dilma. Quinta, a 72 horas da eleição, ele pretende viajar de helicóptero, quase duas horas mar adentro, para assistir ao início da “exploração comercial” do petróleo em Tupi, na Bacia de Santos. Como muita gente, Lula não gosta de viajar na geringonça.(Fonte: Col. Ancelmo/O GLOBO).

MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
De grão em grão, a galinha enche o papo! a cada dia descobre-se mais e mais falcatruas no governo federal. Por esta razão o presidente tenta calar a imprensa. Quanto a tentativa do Lula em querer à todo custo fazer a sucessora, tivemos oportunidade de comentar e publicar matéria sobre o assunto. O INDIGNADO do Tribuna-brasil.com, está certíssimo quando tambem vem alertando quanto a esta intenção. Ninguem quer largar o osso; muito menos a mina de ouro do poder.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Por sugestão do PT, Ceará decide controlar a mídia

Por sugestão do PT, a Assembleia Legislativa do Ceará aprovou, por unanimidade, a criação de um Conselho Estadual de Comunicação Social que terá como atribuição “orientar”, “fiscalizar”, “monitorar” e “produzir relatórios” sobre a atividade da imprensa local “nas suas diversas modalidades”.

O conselho segue várias das propostas restritivas à liberdade de imprensa aprovadas pela Confecom (Conferência Nacional de Comunicação), realizada pelo governo federal no ano passado.

Folha de São Paulo

A Folha apurou que, com dificuldades para implementar nacionalmente medidas que visam o controle da mídia, o governo federal irá estimular que os Estados o façam. Assim, com a discussão instalada, haveria ambiente mais favorável à proposição de lei federal.

Dilma Goela Abaixo - A História que o PT não mostrará na TV

Erenice admite reunião com consultor que denunciou tráfico de influência

Em depoimento à Polícia Federal, ex-ministra muda versão que vinha sustentando havia um mês e confessa ter atendido na Casa Civil representante da empresa EDRB, que negociava um contrato bilionário com o BNDES para construção de um projeto no Nordeste

Amaury Ribeiro Júnioradmitiu ter elaborado dossiê para atingir o presidenciável tucano José Serra. Material estava em poder da pré-campanha de Dilma R

Envolvido na elaboração do dossiê contra o candidato tucano à Presidência, José Serra, o jornalista Amaury Ribeiro Júnior foi indiciado nesta segunda-feira por quatro crimes: quebra de sigilo funcional, uso de documento falso, corrupção ativa e suborno de testemunha.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

PNDH 3 - A Perda da liberdade

Erenice responde a mais de cem perguntas em quatro horas de depoimento à PF

Durou quatro horas o depoimento da ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra no inquérito da Polícia Federal que investiga o tráfico de influência na Casa Civil.
Erenice deixou a superintendência da PF em Brasília acompanhada do advogado sem falar com a imprensa.
A ex-ministra respondeu cem perguntas e colocou à disposição da polícia os sigilos bancários, telefônico e fiscal.
Ela foi intimada pela polícia para explicar a atuação do filho Israel como lobista dentro do governo e a suspeita de tráfico de influência.
A seis dias da eleição, Erenice tentou duas vezes adiar o depoimento.
Erenice foi braço direito de Dilma Rousseff. Ela era secretária-executiva da candidata quando recebeu no Planalto empresários que negociavam contrato com a empresa de lobby dos filhos dela e de assessores da Casa Civil. Após a Folha publicar a informação, Erenice pediu demissão.
O caso Erenice foi um dos motivos que levou a eleição para o segundo turno, segundo pesquisa Datafolha.
O jornalista Amaury Ribeiro Jr, que encomendou informações fiscais sobre familiares e pessoas ligadas ao presidenciável José Serra (PSDB), presta depoimento no mesmo local. Amaury continua no prédio.

Joelmir Beting: Lula, ato anti-social com o povo Brasileiro

Lula transmite a idéia de que vai terceirizar a Presidência da República - Almir Pazzianotto

Arnaldo Jabor mete a lenha no PNDH

Da ignorância histórica à enganação eleitoral: o método lulista da vitória a qualquer preço

Portal EXAME - Bolívar Lamounier
Para o filósofo alemão Carl Schmidt, verdadeiro líder político é aquele que sabe dividir o povo em dois campos mutuamente hostis. É o que sabe e não sente pudor algum em jogar uma parte contra a outra, fomentando a polarização e cuidando de tirar dela todo o proveito possível.

Schmidt foi um dos principais ideólogos dos regimes totalitários da primeira metade do século 20. Em 1933, ele se inscreveu formalmente no Partido Nazista. Sua marca inconfundível foi o mencionado conceito de política como uma polarização entre “amigos” e “inimigos”.

A idéia de que quem não está comigo, está contra mim. Que eu me recorde, o Brasil só veio a conhecer esse fenômeno na era Lula. Anteontem eu recapitulei aqui a estratégia lulista de transformar a eleição presidencial num confronto plebiscitário, governo contra oposição, sem ninguém no meio para “atrapalhar”.

Lula implementou essa estratégia com determinação, alguma truculência e até certo requinte, por exemplo quando obrigou Ciro Gomes a passar recibo de pateta .

Entre as regiões, Lula forçou outra vez a compactação do Nordeste contra o Sudeste e o Sul.

Mas o intento de polarizar a disputa entre dois campos não se limitou ao posicionamento dos partidos e das regiões. Estendeu-se aos planos social e cultural - ou do imaginário social, como se poderia também dizer.

Como vinha fazendo desde sempre, Lula não mediu esforços para reforçar a identificação dos setores de menor renda como “povo” ou como “pobres”, em contraste com a “elite” e os “ricos”.

E deixou para as últimas semanas da campanha a exibição de seu carro-chefe : ele e Dilma, grandes defensores do patrimônio público, contra a “sanha privatizante” dos tucanos, imputando-lhes inclusive a intenção de privatizar a Petrobrás e o pré-sal.

Antes que os petistas se agitem, faço aqui uma pausa para esclarecimentos. Eu não estou dizendo que Lula é nazista. Não estou vendo Dilma, José Dirceu e tutti quanti subindo uniformizados a rua, cada um com sua cruz suástica .

O que estou dizendo é que Lula e o PT, de modo geral - em parte por desconhecimento do passado e em parte por má-fé eleitoral – têm sistematicamente recorrido a símbolos e táticas que Carl Schmidt de bom grado aprovaria.

Contrapor o ”povo” e a “elite” , por exemplo. Povo e elite numa vaga representação simbólica, como entidades imaginárias, insucetíveis de definição precisa. Vaga como convém a uma simples marcação de distâncias e ressentimentos, com objetivo apenas eleitoral.

Eu até prefiro esse imaginário aparentemente revolucionário àquele servilismo típico do passado rural, mas a questão aqui é outra. O ponto a ressaltar é a grande mentira embutida nessa suposta “conscientização”.

Marx, Lênin e talvez a maioria dos comunistas, eles sim, levavam a sério a dicotomia “burguesia” X “proletariado”. Tinham uma fé inabalável na “luta de classes” como o motor da história.

Nada a ver com o que está ocorrendo no Brasil. Salvo por uma meia-dúzia de true believers, nem os petistas de carteirinha, nem os políticos do partido, e muito menos Dilma e Lula, acreditam nisso. Aqui se trata de manipulação eleitoral – em larga escala, é verdade -, com o objetivo de manter as rédeas do poder nas mãos do PT e de aliados menos imaginativos, como o PMDB.

A privatização, como já se notou, é umas das estrelas principais desse lastimável enredo. Lula e seus marqueteiros trabalharam com afinco até vê-la bem encaixada na engrenagem de sua propaganda eleitoral. Nós, os “amigos” defendemos o patrimônio público, a riqueza do Brasil para os brasileiros. Eles, os “inimigos”, querem vender tudo, até a Petrobrás e o pré-sal.

Meu post de ontem versou sobre este mesmo tema, mas com foco na Vale do Rio Doce. Não me limitei a indagar, o que já deveria ser suficiente, por que uma privatização supostamente tão maléfica para o país não foi revertida. Oito anos não foram suficientes para Lula cumprir o que afinal deveria ser o seu dever ?

Mostrei como o PT cuidou de abortar no Congresso, em 2007, um projeto de plebiscito para a eventual retomada e reincorporação da empresa ao Estado.

Fui um pouco além. Citando abundantemente o relatório, mostrei a distância sideral que separa uma avaliação séria de riscos, como a que o deputado José Guimarães (PT-Ceará) fez em 2007, e a medonha chantagem eleitoral que o lulismo vem impingindo pela TV ao distinto público.


Destacado do antiforodesaopaulo.blogspot.com

Ninguém pode pensar em amordaçar a imprensa

Senadora eleita no Rio Grande do Sul, a jornalista Ana Amélia Lemos promete lutar para evitar a criação de algum organismo de controle da mídia. Ligada ao setor produtivo gaúcho, ela defende o projeto de Código Florestal de Aldo Rebelo

Divulgação
A senadora eleita Ana Amélia (PP-RS) defende a imprensa livre e o setor primário, especialmente os médios produtores rurais

Rudolfo Lago

“Onde está escrito que o eleitor tem de votar em político?”, desafia a jornalista Ana Amélia Lemos. Durante 33 anos, os telespectadores gaúchos acostumaram-se a ver Ana Amélia na televisão. Ela foi uma das primeiras mulheres do país a exercer na TV a função de comentarista econômica. Em 1977, foi contratada pelo grupo RBS para apresentar o programa Panorama Econômico, o primeiro programa televisivo sobre economia da região Sul. Como ela mesma diz, na função de jornalista ao longo desse tempo, posicionava-se em favor de temas de importância no estado. Com fortes ligações com o setor produtivo gaúcho, casada com o ex-senador gaúcho Octávio Omar Cardoso (senador entre 1983 e 1987), Ana Amélia, como jornalista, sempre esteve próxima da política. Em março deste ano, ela tomou a decisão de, pela primeira vez, passar para o outro lado do balcão.

A decisão de Ana Amélia causou um reboliço entre os políticos tradicionais do Rio Grande do Sul. Ela entrou numa disputa apertada com os veteranos gaúchos Germano Rigotto, do PMDB, e Paulo Paim, do PT. Acabou desbancando Rigotto, e elegendo-se senadora com 3,4 milhões de votos.

A origem humilde e a formação política conservadora produziram em Ana Amélia que pode produzir resultados pouco previsíveis no Senado. Ao mesmo tempo em que ela está relacionada aos setores que defendem o agronegócio, tem fortes preocupações sociais, ligadas principalmente à educação. Filha de um carpinteiro e de uma merendeira, a jornalista gaúcha de 65 anos só conseguiu estudar graças à ajuda do então governador Leonel Brizola. Ela própria escreveu uma carta a Brizola e conseguiu, assim, uma bolsa de estudos. Por isso, quando estudantes com bolsa do Enem ficaram inadimplentes por conta das condições de pagamento de seus financiamentos, ela tomou o problema para si e pessoalmente procurou o Ministério da Educação e políticos para negociar melhores condições para os estudantes.

Ana Amélia iniciou sua carreira jornalística em 1970. Há 31 anos, na sucursal da RBS em Brasília, cobrindo a área econômica. Como jornalista, ela é radicalmente contra as propostas, defendidas pelo atual governo, de controle social do jornalismo. “Nos tempos atuais, não se pode pensar em amordaçar a imprensa. A liberdade é uma conquista e um direito inalienável dos brasileiros. As tentativas de cercear a imprensa fracassaram, felizmente”, diz ela.

No Rio Grande do Sul, o PP participou da mesma coligação do PSDB. E, assim, o candidato de Ana Amélia à Presidência foi José Serra. O que não significa, porém, falta de contatos com o grupo ligado à candidatura de Dilma Rousseff, do PT. Nesta entrevista ao Congresso em Foco, ela conta, inclusive, que recebeu um telefonema da própria Dilma cumprimentando-a pela eleição. É assim, nessa oscilação entre o tradicional e o novo, entre o social e o conservador, que Ana Amélia pretende buscar seu próprio caminho no Senado

ENTENDENDO O 9 DE JULHO

ENTENDENDO O 9 DE JULHO por Ivan César Belentani Capitão da Polícia Militar do Estado de São Paulo. O dia 9 de julho se tornou feriado n...