sábado, 25 de setembro de 2010

Promotor quer fazer teste de leitura e escrita com Tiririca


O promotor Maurício Antonio Ribeiro Lopes, da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, pediu neste sábado autorização da Justiça Eleitoral para fazer um teste de escrita e leitura com o candidato a deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva, o palhaço Tiririca (PR).

"Existe uma suspeita séria de que esse homem é analfabeto. É preciso saber se ele tem condição de ser candidato", afirmou o promotor.

Lopes quer que Tiririca passe pelo exame na segunda-feira. Se a Justiça determinar, o candidato terá que fazer um ditado e uma leitura de um trecho da Constituição.

A lei eleitoral permite o voto dos analfabetos, mas proíbe a candidatura deles.

A suspeita do promotor acontece depois de reportagem da revista "Época" mostrar indícios de que Tiririca é analfabeto.

Para a revista, o humorista Ciro Botelho --que escreveu o livro "As piadas fantárdigas do Tiririca"-- afirmou que o candidato não sabe ler ou escrever. A reportagem também descreve situações em que o candidato mostra dificuldade de leitura.

O promotor contou que foi hoje ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo pessoalmente, mas não encontrou juízes para aceitar o pedido.

Quando se registrou, Tiririca apresentou uma carta afirmando que sabe ler e escrever.

CARTILHAS

O promotor também disse que vai protocolar um pedido contra um polêmico gibi distribuído pela campanha de Tiririca.

Para ele, o gibi pode ser considerado brinde porque é distribuído preferencialmente para crianças.

"Se a revista for propaganda, é uma coisa. Se ela for considerada um brinde, é outra coisa."

Na publicação, que leva na capa a sigla de seu partido, o PR, cada frase séria com ideias do candidato vem acompanhada de uma piada.

Na página que leva o texto "os idosos, que tanto trabalharam pelo Brasil, não foram esquecidos por Tiririca", o humorista aparece abraçado a um casal de velhinhos e afirma, em um balão: "Essa véia ainda dá um caldo".

FALSIDADE IDEOLÓGICA

O pedido do exame não é o primeiro que o promotor Maurício Antonio Ribeiro Lopes faz contra Tiririca.

No dia 20, ele denunciou o palhaço por falsidade ideológica, que foi recebida pela Justiça.

Em entrevista concedida à revista "Veja", o humorista afirmou que declarou ao TSE não possuir bens, pois teria colocado todo o seu patrimônio em nome de terceiros, depois de responder a processos de sua ex-mulher.

O promotor pediu a quebra dos sigilos fiscal e bancário de Tiririca, assim como cópias de processos contra ele que tramitam em segredo de Justiça no Ceará.

Pela mesma entrevista e pelo mesmo motivo, a Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo --órgão do Ministério Público Federal-- encaminhou ofício à Justiça Eleitoral no último dia 10 para adoção das medidas cabíveis contra possível crime eleitoral cometido por Tiririca.

Procuradoria

As reclamações do promotor contra Tiririca já obrigaram a Procuradoria a soltar uma nota para dizer que o slogan "pior do que está não fica" não pode ser considerado crime eleitoral.

No texto, a procuradoria lembrou que o promotor não tem atribuição de impugnar candidaturas ou trata de propaganda irregular.

Para Lopes, a propaganda do candidato é irregular por passar mensagens subliminares. Ele também disse que Tiririca não poderia aparecer no horário eleitoral gratuito vestido de palhaço.

O promotor ainda critica o fato da Procuradoria não ter dado atenção aos seus pedidos.

Até o momento o candidato não foi encontrado para comentar o pedido do promotor.

Um comentário:

  1. OLÁ AMIGO.

    DEVERIAM TER FEITO ISSO QUANDO O IMPERADOR LUÍS 51 FOI CANDIDATO. SE PRESIDENTE PODE SER ANALFABETO OS DEMAIS TAMBÉM PODEM. O BRASIL APODRECEU TOTAL.

    ABS DO BETOCRITICA.

    ResponderExcluir

Anônimos não serão publicados