terça-feira, 24 de agosto de 2010

Igreja Universal - EUA investigam remessas de R$ 420 milhões


A Igreja Universal do Reino de Deus é investigada nos EUA sob suspeita de ter praticado os crimes de lavagem de dinheiro e conspiração, similar ao que o Código Penal brasileiro chama de formação de quadrilha, informa reportagem de Mario Cesar Carvalho, publicada nesta terça-feira pela Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

Dois doleiros brasileiros disseram a promotores americanos, em acordo de delação premiada, ter remetido ilegalmente o equivalente a R$ 420 milhões do Brasil para Nova York, no período entre 1995 e 2001. As remessas eram na razão de R$ 5 milhões por mês, segundo a dupla.

Os investigadores americanos tentam descobrir o que a Universal teria feito com esses recursos nos EUA.

A apuração é feita em caráter sigiloso e tem entre os seus alvos o bispo Edir Macedo e a tesoureira da igreja em Nova York, Regina da Silva.

OUTRO LADO

O advogado criminalista da Universal Antônio Sérgio de Moraes Pitombo diz que não pode se manifestar sobre a investigação da Promotoria de Nova York porque se trata de um caso de cooperação internacional entre Brasil e EUA, cujas informações são confidenciais.

Ele confirma, porém, que a apuração existe.

Moraes Pitombo aceitou falar genericamente sobre as suspeitas que recaem sobre a igreja. Segundo ele, é preciso relativizar a palavra dos doleiros que estão colaborando com as investigações nos EUA e no Brasil.

"Não posso me manifestar sobre o mérito do processo, mas é preciso tomar muito cuidado com a palavra de colaboradores que cometeram crimes e estão tentando reduzir suas penas", afirma.

Segundo o advogado, há centenas de casos de delação premiada nos EUA em que supostos colaboradores da Justiça mentiam para proteger clientes ou para colocar a polícia atrás de pistas falsas.

A suspeita de remessa ilegal é incompatível com os padrões de administração da Universal, na visão dele. "Pelos cuidados fiscais e contábeis da igreja, a remessa [de dólares por doleiros] seria completamente inviável".

Ainda segundo ele, o volume de remessas citado pelos doleiros não faz o menor sentido. "Remessas na proporção de R$ 5 milhões por mês são inverossímeis", afirma.

Leia a reportagem completa na Folha desta terça-feira, que já está nas bancas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados