quarta-feira, 26 de maio de 2010

Paulinho da Força - Procuradoria Geral Eleitoral defende cassação


A Procuradoria Geral Eleitoral (PGE) enviou parecer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) favorável à cassação do diploma do deputado

federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, presidente da Força Sindical. No documento, a vice procuradora-geral eleitoral, Sandra Cureau, recomendou o provimento de recurso interposto pelo Ministério Público Eleitoral em São Paulo (MPE-SP), o qual acusa o parlamentar de abuso de poder econômico e inadequação na prestação de contas nas eleições de 2006. De acordo com a procuradora, Paulinho tirou proveito da estrutura do sindicato para se eleger ao cargo.

A Gazeta (MT)

No recurso impetrado em 2007, o MPE-SP salientava que o parlamentar teria usado em 2006, período em que estava licenciado da presidência da Força Sindical, "quatro veículos automotores" e um "automóvel" de propriedade de sindicatos. O deputado também teria omitido doações e despesas eleitorais da Justiça Eleitoral. O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) julgou em 2007 improcedentes as denúncias contra o deputado, o que levou o MPE-SP a recorrer no mesmo ano ao TSE.

A procuradora destacou no parecer que há elementos suficientes que comprovam as irregularidades supostamente cometidos pelo deputado. De acordo com ela, há uma fotografia de um veículo de um sindicato ligado à Força Sindical que possui adesivos da campanha do parlamentar.

Quanto aos gastos de campanha, a procuradora acusa o deputado de ter incorrido na ausência de apresentação de documento fiscal, inadequação na comprovação de recursos recebidos em doação, omissão de doações de despesas, entre outras irregularidades.

Procurado pela reportagem, o advogado Antônio Rosella, responsável pela defesa de Paulinho, lembrou que o TRE-SP já aprovou as contas do parlamentar e rejeitou as denúncias do MPE-SP. De acordo com o advogado, a procuradora endossa apenas um recurso da entidade de que faz parte, o Ministério Público.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados