quinta-feira, 13 de maio de 2010

Ficha Limpa - Regras boas, mas só para os outros

A promessa alardeada por dirigentes partidários e parlamentares de adotar, já nas eleições deste ano, regras de veto do projeto Ficha Limpa vai esbarrar em dificuldades. Todos se adiantam em dizer que as regras serão adotadas, mas a referência a casos concretos de políticos condenados recentemente, como é o caso de governadores cassados, derruba a anunciada boa intenção dos partidos.
Abordados sobre casos em seus partidos, dirigentes dizem que talvez o caso de seu correligionário não se enquadre na nova regra. Perguntados sobre o ex-governador tucano Cássio Cunha Lima (PB), cassado pelo TSE e que concorre ao Senado, os tucanos argumentam que é preciso ver a sentença de condenação. Politicamente, seria complicado negar a legenda ao tucano, mas o líder da bancada na Câmara, João Almeida (BA), afirma que a decisão do PSDB de adotar regras do Ficha Limpa será adotada, doa a quem doer: - No caso do Cássio, é preciso ver a sentença, e não tenho como responder agora. Mas, se a resolução for baixada, tem que valer para todos.
No PDT, parlamentares reagem quando questionados sobre o que farão com Jackson Lago (MA), cassado pelo TSE: - Jackson é caso de perseguição política, não é delinquência. É absolutamente diferente. É vítima - diz o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ). Para os petistas, as regras não se aplicam ao deputado Paulo Rocha (PA), que renunciou na época do mensalão. - Não pode ter efeito retroativo - afirmou o deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP). Há dúvidas quanto à abrangência do Ficha Limpa e se as regras valeriam para fatos já ocorridos ou só para casos novos.
O Globo (RJ)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados