sexta-feira, 12 de março de 2010

Presidente Lula x ex-dissidente Lula

log do Editor homepage

O dissidente cubano Orlando Zapata Tamayo levou sua greve de fome às últimas consequências. Sua morte, um dia antes da visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à ilha dos irmãos Castro, expôs uma face do regime que, se não constrange seus líderes, deixa desconfortáveis muitos de seus admiradores. Segundo a Anistia Internacional, o encanador Tamayo era um "preso de consciência", encarcerado em 2004 sob a acusação de "desobediência". Após o fim trágico de seu protesto, a Anistia exigiu de Cuba que liberte todos os outros 54 presos de consciência do país adotados pela entidade. O ex-torneiro mecânico Lula, no entanto, preferiu não se pronunciar em favor do encanador cubano.

O ministro Celso Amorim diz que o presidente Lula não deve apoio a "tudo que é dissidente" no mundo. Mas, logicamente, o passado de Lula como ex-preso político, em seus tempos de sindicalista, provoca em muitos um estranhamento, que para alguns chega a indignação. Como poderia Lula, que sofreu nas mãos do governo militar brasileiro, não se solidarizar com prisioneiros de um outro regime ditatorial?

Nessa batalha entre os dois Lulas, o ex-dissidente e o presidente, aparentemente está vencendo o chefe de Estado. Lula estaria, segundo informa o chefe do Itamaraty, respeitando a independência de outra nação ao não criticar publicamente seu governo. Possíveis críticas poderiam estar sendo feitas, imagina-se, mas apenas de forma privada. Tal raciocínio, no entanto, corre o risco de exagerar o realismo que, naturalmente, pauta a função de presidente. Além de chefe de Estado, Lula é chefe de governo, ou seja, precisa manifestar-se ativamente sobre assuntos internacionais, ligados muitas vezes a países específicos. Por isso mesmo Lula não cansa de criticar os Estados Unidos em questões comerciais, por exemplo. Recentemente, criticou diretamente a Grã-Bretanha por causa do seu controle sobre as ilhas Malvinas/Falklands.

Mas o comportamento do presidente sugere que ele acredita ter de preservar um papel supostamente conquistado pelo Brasil nos últimos anos, de líder de um mundo alternativo, que contesta a ordem vigente, criada pelo países desenvolvidos. Lula parece crer que, para garantir tal suposta liderança brasileira, o presidente não pode criticar abertamente Cuba. Nem o Irã, a Rússia ou a China. Assim, Lula estaria, supostamente, garantindo um poder de influência do Brasil sobre essas nações. O preço a pagar seria nunca criticá-los, mesmo que eles deixem prisioneiros políticos morrer de fome ou neguem a ocorrência do Holocausto.

O que o ex-dissidente Lula diria sobre isso? Se Lula fosse apenas um ex-prisioneiro, sem cargo eletivo nem interesses no jogo político internacional, ele possivelmente estaria solidário com a memória do encanador Orlando Zapata Tamayo e outros prisioneiros cubanos. Mas o presidente Lula parece entender que a solidariedade de ex-dissidente e o pragmatismo político de presidente da República não podem caminhar juntos. Há o risco, porém, de que, ao sufocar a compaixão de quem sofreu nas mãos de uma ditadura, o chefe de Estado perca parte da credibilidade conferida por seu passado político. Todo o esforço por um papel de liderança internacional poderia, então, acabar sendo perdido. O governo brasileiro certamente faz seus cálculos e, com eles em mãos, as suas apostas

2 comentários:

  1. O que pensa Lula sobre as greves de fome de Gandhi, Mandela e outros?

    ResponderExcluir
  2. OLÁ LORD.

    CARO AIRTON LEITÃO. LULA NÃO PENSA NADA SIMPLESMENTE PORQUE SEU CÉREBRO SÓ FUNCIONA PRO MAL, PRA CORRUPÇÃO ETC...

    ABS DO BETOCRITICA

    ResponderExcluir

Anônimos não serão publicados

ENTENDENDO O 9 DE JULHO

ENTENDENDO O 9 DE JULHO por Ivan César Belentani Capitão da Polícia Militar do Estado de São Paulo. O dia 9 de julho se tornou feriado n...