sexta-feira, 12 de março de 2010

Europa condena morte 'cruel e inevitável' de dissidente cubano Orlando Zapata fazia greve de fome há 85 dias quando morreu, desatando críticas ao dire

Orlando Zapata fazia greve de fome há 85 dias quando morreu, desatando críticas ao direitos humanos na ilha

estadao.com.br

Fariñas iniciou greve de fome após morte do companheiro Zapata

Alejandro Ernesto/Efe

Fariñas iniciou greve de fome após morte do companheiro Zapata

ESTRASBURGO - O Parlamento Europeu aprovou por ampla maioria uma resolução que condena a "inevitável e cruel" morte do dissidente Orlando Zapata e alertou contra o "fatal desenlace" que poderia haver para a greve de fome que outro preso político, Guillhermo Fariñas, realiza, segundo a agência AFP.

O texto, aprovado previamente por vários grupos políticos, "condena duramente a inevitável e cruel morte" de Zapata. O dissidente morreu no dia 23 de fevereiro depois de uma greve de fome de 85 dias. O documento arremete contra "a tentativa do governo cubano" de colocar obstáculos à organização de seu funeral. A resolução foi aprovada por 509 votos a favor, 30 contra e 14 abstenções.

O documento ainda "deplora a ausência de todo gesto significativo" de Havana em resposta aos chamados da comunidade internacional pela libertação de todos os presos políticos em Cuba. O sistema carcerário da ilha é apontado como uma grave violação à Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Os deputados europeus advertiram também sobre o "alarmante estado" de saúde em que se encontra o dissidente Guillhermo Fariñas, em greve de fome desde o dia seguinte ao da morte de Zapata. Segundo o Parlamento, a situação do prisioneiro poderia ter um "desenlace fatal", assim como seu companheiro.

Um comentário:

  1. Desculpe amigo mas Lula não é presidente de Cuba. Ele não pode resover os problemas de outras nações ok?

    ResponderExcluir

Anônimos não serão publicados