sábado, 20 de fevereiro de 2010

Aéticos & inescrupulosos

O TCU aprovou acórdão em 2009 cobrando da Câmara a devolução aos cofres públicos do dinheiro da farra aérea, mas transferiu ao Congresso a tarefa de adotar as providências. Até agora, necas de pitibiriba. Mulheres, filhos, namorados e amigos continuam a viajar à vontade usando as milhagens de deputados federais.
E olhem que a presidência da Câmara declarou "se não está escrito que pode viajar para o exterior é porque não pode". Situação interessante: o ato anterior também nada dizia sobre viagens internacionais; logo, o passeio ao exterior estava proibido. Ilícitos foram cometidos e os delinquentes permanecem impunes.
Como se sabe - e os parlamentares têm obrigação de saber -, no direito público, se algo não está autorizado, está proibido. A propósito, o jurista Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF e ex-presidente do TSE é taxativo: omissão de regra não significa autorização: _"Ao contrário do particular que pode fazer tudo que a lei não proíbe, o administrador só pode quando a lei determina ou autoriza. Trata-se do princípio da legalidade. O agente público age em nome do Estado e vinculado ao Estado”.
Max Weber escreveu que há dois tipos de ética: a da convicção (o comportamento dos políticos na esfera privada) e a ética de responsabilidade (as normas e valores que orientam o político a partir da sua posição como governante ou legislador). Os protagonistas da farra aérea, como se vê, são desprovidos das duas.
Fonte: http://uruatapera.blogspot.com/2010/02/aeticos-inescrupulosos.html

2 comentários:

  1. Muito obrigada pela repercussão ao post, Lord. E parabéns pelo seu blog, é excelente. Já fiz uma chamada no meu blog com link para cá. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. OLÁ LORD.
    AMIGO, NESSA BANDELHEIRA TODA O QUE MAIS ME CAUSA REPULSA É A IMOBILIZAÇÃO DA "OPOSIÇÃO"QUEM TEM UMA OPOSIÇÃO DE MERDA COMO ESSA, NÃO PRECISA DE BASE DE BAJULAÇÃO.
    ABS DO BETOCRITICA.

    ResponderExcluir

Anônimos não serão publicados