quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Gilmar: STF não é cemitério de ações contra político

06/10/2009 - Edson Sardinha Congresso em Foco
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, culpou hoje (6) as disputas políticas pelo elevado número de processos contra deputados e senadores em tramitação na mais alta corte do país e negou que a Casa seja um “cemitério das ações contra parlamentares” por nunca ter condenado um congressista.
“É preciso ter cuidado com esse tipo de juízo”, declarou o ministro. Segundo Gilmar, há uma “excessiva criminalização da atividade política”, decorrente dos embates regionais, que afoga o Supremo com um grande número de acusações.
Somente nos últimos quatro meses o Supremo Tribunal Federal arquivou 14 denúncias contra deputados federais e senadores.
Alguém acredita no que ele afirma?

4 comentários:

  1. Numa casa política formadas por pessoas indicadas por políticos para a função, só pode se esperar decisões corporativas livrando a cara de políticos, seja qual for o crime cometido.

    ResponderExcluir
  2. OLÁ AMIGO LORD.
    CONCORDO PLENAMENTE COM O COMENTÁRIO DE AIRTON LEITÃO EM GÊNERO, MÚMERO E GRAU.
    ABS DO www.betocritica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Na minha opinião, as vagas no STF e em outros Supremos deveriam ser preenchidas APENAS por JUÍZES, escolhidos por um "COLÉGIO DE JUÍZES". O Presidente da República (ou o Governador do Estado, quando fosse o caso) apenas nomearia um dentre os três mais votados. Só assim acabaria essa ingerência política que existe hoje, quando as indicacões são feitas principalmente pelo interesse pessoal do Presidente/Governador, como ficou bem patente no caso mais recente.

    ResponderExcluir
  4. Ou seja, o "grande profissional", de "elevado saber juridico", sua excelencia ministro do STJ, "entende" * (como sempre, não o que a lei delimita, mas sim o que entende...e se tem deficiencia moral...vai entender muita coisa, no mais profundo delas!) * que não se julguem as ações, mas sim as arquive...e no meio deste levante, entram as ações de estupro, assassinato...principalmente as de corruPTção! É o estado marginal na tomada do estado brasileiro, por todos os tres poderes.

    Onde ja se viu um jurista querer tentar defender acobertamentos de ilegalidades com desculpa tão estapafurdia??? Se não tem competencia a julgar as ações, seja pelo quantitativo, quanto pela complexidade, que deixem seus cargos!! Não é isso que eles vivem a dizer em seus despachos?

    Totalmente sem moral ate mesmo para julgar um ladrão de galinhas.

    ResponderExcluir

Anônimos não serão publicados