quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Quem vai lavar essa casa?

Adriana Nicacio Revista Istoé

Senado volta a se sujar com descoberta de pagamentos de cursos no Exterior sem cortar salários. E que cursos!

Um grupo de baianas lavou, na quarta-feira 23, parte da rampa do Congresso Nacional. Mas a Casa ainda precisa de muita faxina. A mais nova do Senado Federal é a concessão de licença remunerada para funcionários fazerem cursos esdrúxulos - como capoeira, judô e até medicina do sono - que nada têm a ver com as funções legislativas. Nos últimos 15 anos, quase 300 servidores foram estudar no Exterior com financiamento do Senado. Essa prática veio à tona em 26 de junho de 2009, quando ISTOÉ revelou que o funcionário Carlos Alberto Nina Neto, do gabinete do senador Arthur Virgílio (PSDBAM), recebeu salário de R$ 10 mil durante os 18 meses que estudou teatro na Espanha. Não se trata, porém, de um caso isolado.

Depois de admitir sua culpa e devolver o dinheiro, Virgílio pediu um levantamento de todos os servidores que foram estudar no Exterior. Descobriu que a Casa chegou ao cúmulo de pagar especialização em judô no Japão e em capoeira em Singapura. A legislação dá direito ao servidor a tirar, após cinco anos de trabalho, 90 dias de licença remunerada para capacitação. Vinte e três servidores decidiram viajar para aprender línguas. O policial legislativo Tiago Nardelli foi estudar inglês no Havaí porque, segundo ele, lá tem uma das melhores escolas do mundo. A consultora Ana Cláudia Borges foi aprender francês em Estrasburgo e seu colega Vinícius Becker Costa foi para Florença aprimorar o italiano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimos não serão publicados